Eu moro no presente onde os beijos me calam e os abraços me trazem afeto. Nesse momento do agora em que os perfumes ficam nos travesseiros e as canetas rabiscam nomes sem propósito.

Vivo e sinto o hoje, no exato tic-tac em que as taças de vinho descansam rubras e vazias na pia.

As pétalas da rosa pairam inertes. O suspiro está congelado nos meus lábios.

Não me interessa mais o ontem, não temo pelo amanhã. Só preciso sentir a areia do mar roçando a ponta dos meus dedos enquanto desenho um sol que sorri. Só preciso ler o livro que na página 90 está tão cheio de mistérios e não respostas. Nesse momento em que o espelho me diz que não sou mais menina, mas também não sou velha. No agora, onde muitos sonhos me inspiram e todo otimismo me habita como se tivesse uma forma física.

Não quero que o ano acabe logo, não espero o réveillon, não me importa mais se é segunda ou sexta-feira, e tampouco, desejo aniversariar. Os confetes ou as cinzas, usarei nos meus dias particulares de carnaval.

Não abro mais janelas para os dias vindouros, não fecho as portas para passados tristes. A casa existe apenas, e com ela, todo o meu agora.

Se o vento balançar meus cabelos, se o calor molhar a camisa, se o frio me anestesiar. Não importa! Eu só quero viver cada segundo no meu agora!

Desejo apenas fazer desse ínfimo instante um significado único de bem viver!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Cristiane Mendonça
Jornalista, mineira e amante de uma boa prosa! Trabalha há dez anos com produção de conteúdo para mídias digitais e sempre que o coração pede se dedica ao "Crônicas Irônicas", um blog que aborda amor, humor, comportamento, biografia de personagens famosos, além de dicas de livros e filmes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here