Imagem de capa: Max kegfire, Shutterstock

Chegamos em um ponto crítico da vida. Infelizmente, é mais comum mentir do que sentir. Somos uma triste geração tão acostumada com a negação, que corremos de qualquer possibilidade verdadeira de aproximação.

Na infância, podíamos pensar muitas vezes sobre o constrangimento de demonstrar afeto em público. Principalmente pelos nossos pais e outros parentes. Não é que fôssemos avessos ao carinho, mas era um trato social não expor certas atitudes na frente de estranhos. Com o tempo, na adolescência, ignoramos qualquer protocolo na busca por um alguém que nos completasse. São os hormônios, dizem. Era liberado ter uns momentos a mil por hora com alguém. Os cinemas que o digam. Mas o tempo passou. E passou rápido.

Hoje, somos uma geração de adultos que não sabe lidar com os sentimentos. Gostar é pouco, amar é muito e mentir tornou-se o ideal. Por quê? Por que fingir, mascarar e manipular experiências para um ganho exclusivo? Será que tivemos tantos tropeços ao longo da vida que viramos cascas sem nada para oferecer? Quando foi que o amor virou essa pedra no sapato? Quando, no mais irresponsável dos encontros, decidimos que não valeria a pena sentir, mas sim distorcer a realidade?

Talvez, essa seja história que preferimos contar. Aquela na qual viramos vítimas de outras sensibilidades não correspondidas. Onde, escolhendo o sentir errado, fizemos um voto de não mais permitirmos algo de verdade. Trouxa de novo? Nem pensar. Se fosse assim tão fácil. Se fosse assim tão difícil. No fundo, é tudo sem sentido, mas com sentimento. Trouxa é fingir não querer, querendo. É estipular atitudes, ditar os discursos e anotar num caderno quantos flertes foram entregues. Paremos. Paremos antes que seja tarde. Paremos antes que a mentira fique convincente. Paremos antes que o coração cegue.

É triste uma geração que prefere mentir do que sentir. Chegamos em um ponto crítico da vida, onde nada nos resta a não ser jogar toda essa bobeira de negar para o alto e, finalmente, urgentemente, com gentilezas, apenas sentirmos. De uma vez por todas, por favor.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

5 COMENTÁRIOS

  1. Eu concordo sim com o texto, mas acho que em muitos casos nem há o sentimento reprimido ou bloqueado por experiencias passadas ou o medo de se expor, isso é até poético, mas o fato é que a maioria das pessoas usam umas as outras, como se fossem roupas, buscam qualidades em seus parceiro(a)s que compensem suas deficiências, porém tudo voltado para o que esta em volta, o publico, para o que os outros vejam. Nunca admitem seus erros, pelo contrario, criam historias onde se vitimizam sempre. são fracas, tem dificuldade em tudo( pra alguem vir e fazer no seu lugar), querem provar que sempre estão felizes, que a vida é muito intensa, querem estar em todas as festas e saber o nome de todas as bebidas( e prova-las é claro). Usam da sua beleza como se fosse infinita, mas ela acaba, e quando acaba, vem a vontade de achar alguém de “verdade”.. eis que não acha.. o tempo passou.

  2. Já é tarde demais para qualquer coisa nesta geração, o que resta é a terapia e os remédios, aceitem, somos uma geração de doentes incapazes de engolir o próprio orgulho.

  3. É uma geração desesperada esta. Isso porque, deixaram o mais importante para trás Deus. Ele é nosso criador e nos ensina como usar nossa vida, portanto,somente ele tem o manual de instruções. Então, realmente, se queremos viver intensamente e bem, sigamos a orientação dele, e por experiência própria, lhes digo caros leitores, seremos verdadeiramente felizes, no íntimo, sem precisar mostrar para ninguém. É uma paz profunda e verdadeira, e você jamais precisará de uma mentira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here