Imagem de capa: Alena Ozerova, Shutterstock

Sempre haverá aquela pessoa que nunca se esquece de pedir em suas orações, para que Deus nos abençoe e nos guarde. Alguém que muito nos estima e sente nossa falta. A mãe que, vez ou outra, se esquece de que crescemos e tenta, a todo custo, nos proteger de tudo e de todas as possibilidades que possam nos causar dor. Mãe não é somente aquela que teve a dádiva de nos presentear ao nos trazer a este mundo. Ao longo de nossa vida, somos adotados por muitas mães de coração, que se preocupam conosco, nos aconselham e não economizam em nos cobrir com todo afeto e carinho que um filho necessita.

As reuniões de família nunca são as mesmas quando falta um membro. E família, assim como mãe, não se limita apenas à laços de sangue, mas de alma. Quantas famílias construímos ao decorrer de nossa caminhada?! Aquela que nos tolera a maior parte do tempo na escola ou no trabalho. Sim, tolerar. Uma palavra muito importante quando há pessoas diferentes, de lugares e valores diferentes convivendo juntas. O perdoar, da oração do Pai Nosso, pode ser substituído por inúmeros verbos. Tolerai para ser tolerado, pois não somos as melhores pessoas de lhe dar o tempo todo.

Assim como nós sempre nos preocupamos e queremos bem a alguém, sempre haverá um alguém a nos querer bem também. É uma sensação comum a todos nós, pois somos feitos de sentimentos e, cada um demonstra e convive com o seu à sua maneira.

Acredito em anjo da guarda, porém, eles não possuem asas ou coisas do tipo. Possuem palavras de conforto na hora da angústia ou o silêncio necessário quando as palavras nada podem dizer. Estão sempre presentes de alguma forma, mesmo que não pessoalmente e, principalmente, não nos abandonam mesmo quando merecemos, pois sabem que é o momento em que mais precisamos deles. E, acima de tudo, acredito que tanto essas pessoas que se preocupam conosco como também o que sentimos por elas, são obras divinas realizadas por Aquele que não nos deixa um minuto sequer…

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Rachel dos Santos
Paulistana, porém mineira de coração. Viciada em música e sorvete, adora filosofar no facebook e compor canções que guarda a sete chaves. Estudante de jornalismo , pretende construir um mundo mais bonito por meio de seus escritos. Acredita que a simplicidade é a chave que abre a porta da felicidade. Sempre usa reticências no final das frases porque sente que sempre há um pouco mais a se dizer...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here