Ela disse “oi” e ele, assim sem jeito, respondeu “olá “. Quando a música terminou, ambos continuaram dançando. Era um jazz. Era um amor desses pra ficar bem juntinho.

Dizemos não nos importar com a ausência do romantismo, mas gostamos de sermos lembrados, com carinho e carícias, dos possíveis motivos e indícios de ali estarmos. As mãos dadas sugerem uma comunhão de corações. Corações bem vindos para amor. Não fosse a admiração mútua, o gesto seria apenas um cumprimento automático de quem não quer estar sozinho, e ninguém merece ser apego do outro. O amor é sentir e também escolha. Escolha no sentido de estabelecermos sua extensão e permissão para seguir adiante. Negar essa liberdade é maltratar o próprio amor.

Mas o ser romântico ganha vida em ir ao encontro de sua essência, a qual depois dos dedos entrelaçados, os sorrisos são bem vistos e acolhidos. Porque sorrir para si é bom, mas escancarar a alma nos dentes para o outro, incomparável. Não é sair porta afora demonstrando felicidades sem fim, não. Contudo, colocar-se disponível e em direção a novos prazeres faz palpitar até o mais frio dos corações. E como precisamos experimentar. Conceder-nos a oportunidade de vivenciarmos momentos que não sejam resumidos por noites de porres e choros na frente da tevê.

O romantismo é construído, despretensiosamente, com abraços. Após os abraços, muitos beijos. Intimidades compartilhadas por quem não sente vergonha de sentir. São formas do mais amor, ainda que não haja necessidade de palavras para descrevê-lo. Pra quê? Caminhar a dois rumo ao misterioso. Descobrir, dia após dia, o significado do relacionamento. Mas juntos. Sem deixar num canto qualquer todas as expectativas, pois elas fazem parte da melodia. Saber do ritmo um do outro é fundamental para não pisar nos pés do amor.

O amor é jazz, assim bem juntinho. Mas não há problema no caso de você não saber como se dança. Desde que tenha a composição em mãos, abraços e lábios, eu fico bem mais perto. Juntos e nos nossos passos.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here