Não sei de onde veio o conselho, mas comigo tem dado certo vida afora. Dizem que não é bom lixar os pés. Quanto mais se lixa, mais grossos eles ficam. O corpo não entende a esfoliação como recurso para deixá-los macios. Ao contrário, entende que os pés estão sofrendo uma agressão e, para se proteger, produz mais queratina, endurecendo a pele.

Somos como nossos pés. Podemos passar a vida toda ilesos, mantendo-nos lisinhos, macios e confortáveis. Ou passamos pela “lixa” e nos tornamos mais fortes e resistentes.

Ontem, assistindo à entrevista de Marília Gabriela com Ingrid Guimarães, não me surpreendi quando a atriz contou como a “inadequação” tornou-se a mola propulsora de seu sucesso.

Fabrício Carpinejar, autor do livro infantil “Filhote de Cruz Credo”, também passou por dificuldades na infância _ diagnosticado com disfunção cerebral, foi alfabetizado em casa pela mãe_ e isso pode tê-lo ensinado a rir de si mesmo, voando mais longe que os totalmente “adequados”.

Protegemos nossos filhos, cuidamos para que tenham o melhor, evitamos a todo custo que se sintam inadequados. Mas até que ponto zelar pelo bem estar perante a vida é realmente uma benção?

Dificuldades amadurecem, sofrimento fortalece e inadequação gera bons frutos.

Também tive meus momentos de inadequação. Dos treze aos quinze anos fui a “menina da coluna torta”, como a personagem – título (autobiográfica) de Júlia Barroso (http://www.juliabarroso.com/) e usei colete Milwaukee para corrigir um grave desvio de coluna. Aquela caricatura de “robôcop”, aliada às dificuldades inerentes à adolescência, mais o fato de ser tímida, magrela e muito CDF, faziam de mim um protótipo de alien do ensino médio.

O bônus foi  conectar-me àquilo que poderia virar esse jogo. A lixa cumpriu seu papel fortalecedor.

Hoje, olhando pra trás, sinto orgulho das dificuldades. Não fosse o bullying, a cidade do interior me bastaria.
Pés finos e macios não me levariam tão longe…

É claro que sou contra bullying e qualquer tipo de violência_ física ou psicológica. Mas infelizmente, ninguém será poupado pela vida. As dificuldades chegarão, mais cedo ou mais tarde; e quanto antes estivermos prontos e fortalecidos, melhor.

Pois como diria Rubem Alves:

” Milho de pipoca que não passa pelo fogo, continua a ser milho para sempre”…

Para adquirir o livro “A Soma de Todos os Afetos”, de Fabíola Simões, clique aqui: “Livro A Soma de todos os Afetos”

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Fabíola Simões
Escritora mineira de hábitos simples, é colecionadora de diários, álbuns de fotografia e cartas escritas à mão. Tem memória seletiva, adora dedicatórias em livros, curte marchinhas de carnaval antigas e lamenta não ter tido chance de ir a um show de Renato Russo. Casada há dezessete anos e mãe de um menino que está crescendo rápido demais, Fabíola gosta de café sem açúcar, doce de leite com queijo e livros com frases que merecem ser sublinhadas. “Anos incríveis” está entre suas séries preferidas, e acredita que mais vale uma toalha de mesa repleta de manchas após uma noite feliz do que guardanapos imaculadamente alvejados guardados no fundo de uma gaveta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here