Menina dos olhos caídos

Queria que a minha voz pudesse niná-la, menina dos olhos caídos e do sorriso que fala. Queria que os meus versos pudessem dizê-la, que não busco nada além de inteiramente conhecê-la. Queria que as minhas mãos pudessem massageá-la e os meus jantares – um dia – satisfazê-la. Queria sonhar contigo tempo suficiente, para diariamente ser capaz de agradecê-la – por existir.

Queria levá-la do chão, ao céu da minha boca e, com a voz rouca, dizer-te que – ainda que o sol apareça – não precisamos sair da cama. Queria que os meus braços guiassem os teus sonhos intranquilos, e as minhas pernas acobertassem os teus desejos mais intensos. Queria dar-te carinhos em troca de simples suspiros, um ninho e um amor de passarinho. Queria ver-te bem cedo, antes da lua se por, pois ao seu lado, o único medo que tenho, é de prender o teu amor.

Queria poder cantar a tua música predileta e, poder abrir em ti, portas nunca antes abertas. Queria embriagá-la com palavras jamais ditas e poesias nunca antes recitadas. Queria que a natureza mais próxima do teu leito, fosse a composta pelos curtos pelos que preenchem o meu peito. Queria poder tentá-la, até conseguir fazê-la, entender que não procuro nada além de – verdadeiramente – vivê-la.

Menina dos olhos caídos, este poema breve é destinado para o teu bem, e bem perto de mim – se for possível.

Imagem de capa: lightwavemedia, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Fellipo Rocha

Fellipo Rocha é poeterapeuta, músico e idealizador da página Corpoesia. Além disso, escreve pelos sorrisos que perde, todas as vezes em que não sai de casa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here