É livramento, mas quem disse que não dói?

Por Isabela Nicastro – Sem Travas na Língua

Quando você termina um relacionamento ou está se questionando se aquela relação vale realmente a pena, muitas pessoas, que geralmente estão de fora da situação, insistem em dizer: foi um livramento, agradeça. Por vezes, você mesmo comprova essa teoria. Melhor sozinha, do que mal acompanhada, certo? No entanto, mesmo diante de uma decisão certa, dói e dói muito. Quem disse que não?

Apesar de você estar tentando resgatar sua paz de novo, sua saúde mental e seu amor próprio, dói não ter mais aquele que você ainda ama ao seu lado. Dói não ter para quem mandar mensagens ao longo do dia. Dói não ter companhia para os momentos de filme e edredom. Dói ter que recomeçar tudo de novo. Com certeza, essa é uma missão nem um pouco fácil.

Não há conselho, balada ou “pegação” que resolva. Você vai chorar muito. Vai encher os ouvidos dos amigos sobre o ex. Vai ter recaídas e talvez voltar a se encontrar com ele. Acontece. E honestamente, não se culpe por isso. Sentir não é sinônimo de fraqueza. Pensar só com a razão nessas situações é uma tarefa que nem os seres mais evoluídos conseguem com sucesso. Permita-se terminar de vez e sofrer, permita-se reconsiderar se ainda te fizer bem, permita-se tentar, mesmo que ainda não tenha uma decisão firme a tomar.

As pessoas esperam que você seja um robô, alguém que decide, porque é preciso e fim. Alguém que não deve sofrer por quem não merece. Mas, infelizmente, o coração não escolhe por quem vai sentir dor. Nessas horas, talvez ajude encontrar um equilíbrio entre razão e emoção. E tal equilíbrio, às vezes, está em aceitar o seu tempo, a sua indecisão, a sua incerteza. Está em ir vivendo dia após dia, permitindo-se sentir e, ao mesmo tempo, reagir.

Deixa a decisão certa chegar devagarzinho. Vá sentindo o terreno e plantando uma semente por dia. Não force nada. Ao invés de afirmar o que é livramento, mude o foco: o que for para ser, será.

Fonte indicada: Sem Travas na Língua

Imagem de capa: BlackbourneA, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Isabela Nicastro

Capricorniana, 23 anos, jornalista. Apaixonada por mar, cães e cafés da tarde em família. Não dispenso bacon e muito menos uma boa história. Meu coração é intenso e grita mais do que a razão. Tenho o sentimento como guia e a escrita como ferramenta.

1 COMENTÁRIO

  1. Que texto fantástico!!!! Depois de muito quebrar a cara, desisti de um amor que me fazia chorar, mas do que sorrir…. É difícil abrir mão de um amor. Estou deixando o tempo agir…. O mais difícil é que nada parece amenizar a dor….

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here