Ainda que me falte sono, terei sonhos

A escada dos nossos sonhos é composta basicamente por nuvens, onde só os mais determinados conseguem subir e só os mais leves são capazes de se sustentar. Por isso, dos obstáculos que encontro, tiro sempre as melhores lições, e nenhum deles me impedem de seguir o caminho que traço – rumo às minhas mais bonitas ambições.

Meus mais extraordinários devaneios se agrupam diariamente, formando meus filmes noturnos – ou diários de bordo diurnos – dos quais costumo ser protagonista. Dentre eles estão as mais fantasiosas aventuras, as mais belas e suspirantes histórias de amor, os mais intrigantes dramas, as mais hilárias comédias e por vezes – infelizmente – os mais horripilantes roteiros de terror. O sonho é um acontecimento tão único que não possui sequer um sinônimo literal, pois nenhuma outra palavra se atreve a definí-lo.

Tenho uma coleção de estrelas cadentes, guardo meus desejos sempre junto ao peito e, se hoje traio o travesseiro sonhando acordado, é que venho dormindo pouco para o que tenho sonhado. Procuro, portanto – em tempo integral – ser o todo que há, entre o ato mágico de dormir e o instante – muitas vezes trágico – de acordar.

Com os olhos cravados no horizonte, sigo em busca de respostas para a vida, procurando plantar o bem em troca de uma colheita florida. E por fim, ainda que nada aconteça, terei conseguido sonhar até o último segundo vivido.

Imagem de capa: Batkova Elena, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Fellipo Rocha

Fellipo Rocha é poeterapeuta, músico e idealizador da página Corpoesia. Além disso, escreve pelos sorrisos que perde, todas as vezes em que não sai de casa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here