Perdoar significa entender, não justificar

Saber perdoar sempre foi visto como uma virtude. Há pessoas que têm dificuldade para esquecer tudo e recomeçar quando alguém faz qualquer coisa que as machuca. Por outro lado, há outras que perdoam absolutamente tudo o que os outros fazem… Como encontrar o equilíbrio?

Saber perdoar não significa esquecer tudo o que os outros fazem sem se importar com como nos sentimos. É importante aprender a deixar o rancor para trás, mas sem justificar o injustificável… Continue lendo para aprender a usar o perdão com equilíbrio e melhorar, assim, seu bem-estar emocional!

“Apenas aqueles espíritos verdadeiramente corajosos sabem a maneira de perdoar. Um ser vil não perdoa nunca porque isso não faz parte da sua natureza.”
-Laurence Sterne-

A virtude de perdoar começa em si mesmo

Aprender a perdoar não implica que não nos importa o que os outros fazem, mas que não deixamos que a irritação ou o aborrecimento inicial se transforme em rancor e inunde de mal-estar a nossa vida e a relação com a pessoa que nos machucou. De fato, perdoar nos ajuda a deixar passar o que aconteceu, mas tomando decisões que nos protejam daquilo que nos prejudicaria no futuro.

Pensamos em perdoar os outros, mas temos o mau costume de esquecer de perdoar a nós mesmos. A realidade é que ninguém é perfeito. Por mais que pareça clichê, todos nós cometemos erros. É importante compreender isso, pois em muitas situações estabelecemos níveis de autocobrança que são impossíveis de atingir, o que pode provocar sentimentos de frustração, ansiedade ou raiva em relação a nós mesmos.

Portanto, reconhecer que somos humanos é o primeiro passo para aprender a se perdoar. Mas podemos dar um passo além: se fizemos algo que consideramos incorreto, podemos deixar de dar voltas e voltas e buscar uma solução.

A questão reside em trocar essa espiral de pensamentos que nos levam a um beco sem saída por uma maneira mais adequada de enfrentar o problema. De modo que temos duas alternativas: remediar o que fizemos e, se não houver essa opção, pensar no que podemos fazer para evitar cometer o mesmo erro no futuro.

Perdoar significa entender que os outros também cometem erros

Assim que adquirimos consciência de que não somos perfeitos, nos resta considerar o mesmo para as outras pessoas. Muitas vezes, é mais fácil justificar nossos erros que os das pessoas com quem convivemos. A verdade é que, da mesma forma que temos exigências conosco, também temos com as outras pessoas.

“Perdoar é não considerar demais as limitações e os defeitos do outro, não levá-los muito a sério, mas diminuir a importância que têm, com bom humor, dizendo: Eu sei que você não é assim!”
-Robert Spaemann-

Assim, esperamos coisas das outras pessoas que elas nem sempre podem nos dar. Entender que os outros não são obrigados a atender nossas expectativas é muito importante para aprender a perdoar o que consideramos que fizeram errado. O mesmo acontece quando nos decepcionamos com nós mesmos, é importante deixar o rancor para trás.

De novo, ficar dando voltas e voltas naquilo que a pessoa em questão fez não nos ajuda em nada. Se alguma coisa nos incomoda, é preciso tentar entender os motivos que a pessoa pode ter tido para agir de determinada maneira. Nesse sentido, manter uma conversa sobre o tema, tentando buscar uma solução para o que aconteceu, pode ser positivo.

Perdoar não quer dizer que tudo é justificável

No entanto, não se deve perdoar tudo que as pessoas fazem por costume de perdoar. É importante considerar os nossos próprios direitos e nossas próprias necessidades. Se desculpamos constantemente os males que os outros nos causam, prejudicamos nosso próprio bem-estar e impedimos nossa autoafirmação.

“Perdoar demais aquele que erra é cometer uma injustiça com aquele que não erra.”
-Baldassare Castiglione-

Aprender a escutar nossas emoções nesses casos vai nos proporcionar dicas para saber o que fazer. Assim, aprendemos a colocar limites aos outros e a defender nossos próprios direitos.

De modo que para aprender a não perdoar absolutamente tudo, é importante refletir sobre o que aconteceu e sobre qual é o motivo do nosso aborrecimento. Dessa maneira, tentaremos atribuir a responsabilidade do que aconteceu a quem corresponder.

Não se trata de buscar culpados, mas de dar a cada um o que o corresponde. Porque antes de desculpar o outro sem mais nem menos, é recomendável conversar sobre o comportamento e sobre aquilo que esperávamos ou que gostaríamos que tivesse acontecido. Trata-se, portanto, de equilibrar a balança entre nossas necessidades e as das outras pessoas. Aprenda a perdoar!

Fonte indicada: A Mente é Maravilhosa

Imagem de capa: Voyagerix, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here