Casa comigo?

Aqui?
Agora?

Sim, aqui e agora.

Não importa o lugar ou a hora, só quero escutar da tua boca que desejas passar o resto da minha vida me chateando. Eu mal te conhecia há alguns meses atrás, mas já queria pôr teu sobrenome em nossos futuros filhos. Eu mal sabia teu nome no dia em que nos conhecemos e eu já queria teus beijos, teu cheiro e uma casa no campo para relaxar nossas almas e fugir um pouco da correria da cidade grande.

Não foi amor à primeira vista, foi mais para; “como eu nunca havia visto esta garota antes” à primeira vista. Meu melhor amigo costumava me dizer:
– Cara, quando você encontrar a pequena que fará teu coração bater feito escola de samba, todos os teus planos de ser solteiro desaparecerão pelo ar.
E eu tenho que admitir, ele estava totalmente certo. Pois no exato momento em que coloquei minhas retinas nos teus olhos, eu sabia que você era problema, problemas dos bons, sabe. Foi como se meu coração dissesse:
– Cara, você acabou de conhecer sua futura esposa.

Você estava sentada na praça lendo aquele maldito poeta francês que era capaz de saber o que se passava em qualquer coração. Eu te olhei rapidamente, mas você se sentiu mais segura nas palavras daquele maldito livro. Teus olhos castanhos, teu cabelo curto deixando a tua nuca nua, teus lábios vermelhos. Teu sorriso de canto de boca a cada poema lido, me fizeram agradecer a Deus por ter tido a graça divina de ter visto a coisa mais perfeita que eu já havia visto. Eu sorri para o céu e agradeci por aquele momento, mas alguém lá em cima me sorriu de volta, dizendo:
– Filho, aí vem a melhor parte.

E enquanto meus olhos – que encaravam o céu – abaixavam lentamente, os seus – que encaravam o livro – levantavam vagarosamente. E quando percebi, as nossas retinas já estavam mais alinhadas do que o trópico de Capricórnio.

Você me sorriu.
E eu pensei;
Eu só quero passar o resto da minha vida vendo este sorriso, nada mais.

Então, aqui e agora, pra mim não fará diferença se o teu sorriso estiver ao meu lado – mesmo que seja lendo aquele maldito poeta francês.

Então,

aqui
e
agora.

Eu
queria
saber
se

você
aceita
se casar
comigo?

E aqueles foram os segundos mais demorados em toda vida de Gabriel.

E mesmo antes de responder,
ela sorriu de canto de boca.

Baseado na história real de Gabriel e Maria.

Imagem de capa: Nopparat Nambunyen, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Pedro Ficarelli
Apaixonado pela poesia feminina. Acredito fielmente que o amor seja o infinito que resolveu morar no detalhe das palavras. Muito prazer, eu me chamo Pedro Ficarelli, e escrevo com o único intuito de pôr palavras onde a tua dor se faz insuportável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here