3 séries psicológicas encontradas na Netflix e que te farão pensar fora da caixinha.

Temas polêmicos e tabus. Situações inusitadas. Perspectivas diferentes sobre assuntos que aparentemente poderiam ser banais, mas não são!

As séries selecionadas abaixo trazem momentos de sensibilidade, mas também de forte impacto.

Segue uma lista para quem não tem medo de pensar fora da caixinha. Mas, ressalvo, a primeira e a segunda dicas também precisam de tolerância a cenas fortes. (Observar indicação etária).

Quer mais dicas? Já abra também: 3 opções Netflix que podem te arrebatar ainda hoje.

Black Mirror

Com capítulos independentes e temáticas variadas, a única certeza dessa série é, no final de cada episódio, em frente a televisão, tornar-se um telespectador embasbacado e mexido por sentimentos que vão de asco, inquietação ou até repúdio. Embora pareça ruim, Black Mirror trabalha com um constante “choque de realidade” e crítica absoluta a sociedade contemporânea e suas irracionalidades.

13 Reasons why

Uma caixa de sapatos é enviada para Clay por Hannah. O jovem se surpreende ao ver o remetente, pois Hannah acabara de se suicidar. Dentro da caixa, há várias fitas cassete, onde a jovem lista os 13 motivos que a levaram a interromper sua vida – além de instruções para elas serem passadas entre os demais envolvidos. (adoro cinema)

Impactante por tratar da temática do suicídio trazendo a perspectiva das pessoas envolvidas. Mostra como a situação evolui e as consequências do ato.

Atypical

Sam é um jovem autista de 18 anos que está em busca de sua própria independência. Nesta jornada, repleta de desafios, mas que rende algumas risadas, ele e sua família aprendem a lidar com as dificuldades da vida e descobrem que o significado de “ser um pessoa normal” não é tão óbvio assim. (adoro cinema)

Uma série perfeita para quem reproduz preconceitos sem refletir sobre o funcionamento intelectual e emocional de uma pessoa que, por alguma razão, é diferente de nós.

É uma série mais leve que as duas primeiras, mas apaixonante pela dinâmica familiar, processo de inclusão escolar, apresentação do protagonista na adolescência e crítica aos esteriótipos. (além, claro, de ser muito engraçada).

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Josie Conti
Blogueira e empresária. Após trabalhar anos como psicóloga, abandonou o serviço público para manter seus valores pessoais. Hoje, conjuntamente com sua equipe, trabalha prioritariamente na internet na administração funcional, editorial e publicitária de redes sociais e sites como CONTI outra, A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil, além de várias outras fan pages que totalizam cerca de 9 milhões de usuários. Também escreve para as Revistas Contemporânea Brasil e Caminhos. É um exemplo de pessoa que mudou de profissão da área de atendimentos clínicos em saúde do trabalhador para reconstruir seu próprio caminho como editora de sites e blogueira. A formação em psicologia com passagens e especializações nas áreas da psicopedagogia, neuropsicologia, recursos humanos, clínica e saúde do trabalhador nunca foram perdidas e são utilizadas diariamente na escolha dos materiais, seleção de colunistas, em seus textos e vídeos . Acredita que a universidade deve ser um degrau construtor de conhecimento e senso crítico, mas nunca a definidadora de uma vida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here