12 curiosidades que você não sabia sobre o Pequeno Príncipe

O Pequeno Príncipe é uma obra fantástica recheada de milhares de simbologias e significados. Eu diria que cada um de nós se vê retratado em algum ponto da obra. Disfarçado de uma obra infantil, esse diminuto livro (reescrito várias vezes para assim ficar) nos faz pensar profundamente sobre temas universais como o amor e a amizade. No entanto, falar do Pequeno Príncipe e não citar seu autor, o escritor e aviador Antoine de Saint-Exupéry é quase impossível, pois ele mesmo parece estar retratado na obra. Além do mais, muito do que aparece no livro diz respeito diretamente à vida pessoal do autor, um homem apaixonante que conquistou o coração não só de Consuelo, sua esposa, mas também o nosso.

Acima: Foto de Antoine de Saint-Exupéry e sua esposa, a salvadorenha Consuelo.

1 – Antoine de Saint-Exupéry, o escritor do Pequeno Príncipe era um conde

O escritor do Pequeno Príncipe tinha um nome longuíssimo: Antoine Jean-Baptiste Marie Roger Foscolombe e tinha um título de nobreza que lhe conferia o status de Conde de Saint-Exupéry. No final das contas chamavam-no de Antoine de Saint-Exupéry ou, para os íntimos, Tonio apenas. Ele era um conde, mas trabalhava como aviador contratado para fazer entregas postais.

2 – A obra O Pequeno Príncipe só existiu por causa de uma pane no avião de Antoine

No ano novo de 1936, o avião que Antoine de Saint-Exupéry pilotava, autor do Pequeno Príncipe, caiu no deserto do Saara e ele passou quatro dias sofrendo de desidratação, fome, e tendo alucinações, até ser resgatado por um beduíno. A ideia para a história do pequeno príncipe surgiu aí.

3- Antoine ficou perdido no Saara porque estava atolado em dívidas

Apesar da sua situação econômica não andar muito boa, Antoine de Saint-Exupéry não resistiu à tentação de comprar um avião. No fundo ele pretendia ganhar um prêmio com ele: o Ministério da Aeronáutica da França oferecia 150.000 francos a quem batesse o recorde de tempo no trajeto Paris-Saigon. No entanto, sua situação econômica ficou tão crítica na época, principalmente depois do gasto excessivo, que lhe cortaram a luz e o gás do apartamento. Pressionado pela situação e querendo ganhar o prêmio a todo o custo, Antoine caiu no Saara, fato que o inspirou a criar o Pequeno Príncipe.

4- Consuelo, a esposa de Exupéry era a rosa do livro O Pequeno Príncipe

A rosa que tanto tosse na história do pequeno Príncipe é Consuelo, que sofre de asma. A rosa é frágil e de personalidade forte, assim como a esposa de Antoine. O relacionamento de Antoine e Consuelo foi marcado por idas e vindas. Assim como o Príncipe, Antoine vivia partindo e voltando para sua esposa e apesar das brigas e diferenças ele demonstrava grande fascínio por ela, uma artista nata, cheia de convicções e bastante enigmática. Para alguns Consuelo era um tipo de Sherazade, pois ela contava muitas histórias acerca de si, a ponto de confundir as pessoas sobre seu passado. Por isso ela era chamada de Sherazade dos trópicos, já que nascera em El Salvador.

5- Antoine pediu sua esposa em casamento horas depois de conhecê-la

Em Buenos Aires Antoine conheceu a salvadorenha Consuelo. Ela se encantou com sua figura: um homem de quase 2 metros de altura, audacioso e aventureiro, aviador, com jeito de garotão, que tocava piano. Ele a pediu em casamento naquele mesmo dia, horas depois de tê-la conhecido. Levou-a para voar em seu avião e lá antes de pedir por um beijo pediu-lhe a mão. Notando a negativa de Consuelo em dar-lhe a mão e o beijo ele desligou o avião que caiu em parafuso até que ela resolveu ceder. O beijo aconteceu, mas o casamento somente anos mais tarde.

6- Antoine escreveu uma carta de 40 páginas quando conheceu a esposa

Muito do que se conhece sobre a vida de Antoine se dá pelo fato do escritor em vida gostar de escrever cartas aos mais próximos. Trocou cartas por toda vida com a mãe, com amigos e com a esposa. Quando conheceu Consuelo, arrebatado por uma paixão avassaladora, escreveu uma carta de quarenta páginas para ela.

7- Jung concluiu que Antoine apresentava um forte complexo materno

Em Símbolos de Transformação Carl Jung disse sobre o autor do Pequeno Príncipe: “o complexo materno deste autor foi abundantemente confirmado por informação de primeira mão”. De acordo com inúmeras evidências é provável que Antoine, do ponto de vista da psicologia profunda de Carl Jung, tivesse uma personalidade Puer Aeternus (Eterno Jovem) representada por um arquétipo relacionado com à mudança e à renovação. Conforme Marie-Louise Von Franz, o homem que se identifica com o Puer Aeternus permanece muito tempo na psicologia adolescente “com uma dependência excessiva da mãe” e dentre outras características tem adoração por esportes e atividades que envolvam altura e risco.

8- O esteroide B612 é uma cópia da cidade de Armenia, em El Salvador

A esposa de Antoine de Saint-Exupéry, Consuelo, nasceu na cidade de Armenia em El Salvador, um pequeno país da América Central. Antoine conheceu a terra natal da esposa e tudo leva a crer que a paisagem encontrada no asteroide B612 é a mesma encontrada por quem observa a vista de lá. Da cidade de Armenia pode-se ver três vulcões, dois ativos, o Izalco e Santa Ana e um inativo, o Cerro Verde. Também são encontradas por lá árvores frondosas assim como os Baobás, as Ceibas.

9 – Os asteroides descritos em O Pequeno Príncipe existem de verdade e têm nome

Engana-se quem lê o Pequeno Príncipe e acredita que o autor inventou os asteroides citados na obra. Todos existem e além de serem denominados por seu número, possuem um nome. Somente no caso do asteroide  B612, não podemos dizer o mesmo, pois não se encontra um asteroide com essa nomenclatura, apenas o 612 chamado de Veronika. O asteróide 325 leva o nome de Heidelberga. O 326, Tamara. O 327, Columbia. O 328, Gudrun. O 329, Svea. E o asteroide 330 chama-se Adalberto.

10 – O piloto que abateu o avião de Antoine de Saint-Exupéry era seu fã e leitor

Em 31 de julho e 1944, Saint-Exupéry partiu da ilha de Córsega em um avião Lockheed Lightning P-38 num voo de reconhecimento do território inimigo. Naquele dia Antoine foi derrubado. Horst Rippert assumiu ser o autor dos tiros responsáveis pela queda do avião de Antoine e disse ter lamentado a morte dele. Quando jovem, Hippert, idolatrava Exupéry e já havia devorado todos seus livros, começando por Southern Mail, de 1929, um conto de aventura. Declarou Rippert anos mais tarde: “Eu só soube depois que era Saint-Exupéry. Eu queria que não tivesse acontecido. Todos os jovens da minha geração leram seus livros e nós adorávamos ele”.

11 – O fim de Antoine e do Pequeno Príncipe tem semelhanças

O Pequeno Príncipe desejava voltar para o lugar de onde veio, sem o corpo, ou seja, em espírito. E Saint-Exupéry também tinha um desejo espiritual pulsante e latente. Esse desejo pode levar, inconscientemente, algumas pessoas a desdenhar a vida corpórea, pondo-a em risco, para poder viver uma vida espiritual plena. O corpo de Antoine de Saint-Exupéry nunca foi encontrado depois da queda de seu avião.

12 – A última carta de Antoine chegou após seu desaparecimento

A carta que o escritor escreveu para a esposa chegou duas semanas após seu falecimento e dizia: “Consuelo, eu preciso das suas cartas assim como preciso de pão para viver. Você é meu doce dever, eu gostaria de poder te amparar. Eu só quero dizer que eu te amo. Tenha certeza de que meu amor por você é tão resplandecente quanto a luz do sol”.

Acompanhe a autora no Facebook pela sua comunidade Vanelli Doratioto – Alcova Moderna.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Vanelli Doratioto

Vanelli Doratioto é uma escritora paulista, amante de museus, livros e pinturas que se deixa encantar facilmente pelo que há de mais genuíno nas pessoas. Ela acredita que as palavras são mágicas, que através delas pode trazer pessoas, conceitos e lugares para bem pertinho do coração.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here