A vida é mesmo uma viagem maluca

A vida é mesmo uma viagem maluca e cheia de surpresas pelo caminho. Nessa estrada de flores (e espinhos), onde somos pilotos e passageiros, algumas paradas são obrigatórias. Sem isso, e sem a manutenção necessária, nossa “máquina” enferruja, perde o equilíbrio e começa a andar mais devagar.

Ah, mas quem é que tem tempo pra perder nessa vida? Não sei você, mas no meu tempo tem tempo pra isso. É isso ou a única coisa que terei a oferecer aos meus é uma metade de mim. Sem chance, vivo de inteiros.

Minhas paradas podem durar dois dias ou seis meses, depende muito de quais peças estão precisando de conserto. Se for o coração, a chave mais importante do processo todo, pode levar ainda mais tempo.

O lado ruim disso? Ah, o fato de que nem todas as pessoas compreendem essa parada obrigatória. Aliás, quase ninguém entende que alguns precisam desse tempo pra trocar o óleo. De resto, pelo menos pra mim, o resultado é sempre positivo.

O início do processo é de aceitação, algo do tipo: “não estou legal, o que está havendo?”. Difícil nessa fase é compreender a hora certa de parar. Porém, não é a parte mais dolorosa. O que pode causar um grande incômodo é o meio disso, pois transformar é quase um parto de nós mesmos.

É a hora de recomeçar dentro do casulo, mudar as cores, a pele e o jeito de olhar o mundo. Isso dói, amigo. É apertado lá dentro e, às vezes, escuro. Você se remexe para quebrar as correntes e é aí que o jogo começa.

Como disse antes, impossível saber o tempo que isso vai demorar. O segredo é aceitar nossa necessidade de libertação, pois a resiliência é a sua maior companheira nessa jornada. Aceitar e agradecer pela oportunidade de viver esse momento, ainda que doa como uma ferida aberta.

Depois disso, e só depois disso, a sensação de conforto se aproxima. Você vai saindo aos pouco do buraco e vendo que o sol continua a esperar o seu sorriso. E como num passe de mágica, olha só, você se reencontra.

O parto de nós mesmos é uma dádiva, um presente da vida pra gente. Quando entendemos isso, e tanto faz se isso acontece aos 15 ou aos 80 anos, podemos recomeçar de onde paramos.

E voltamos inteiros para quem amamos. E voltamos melhores para receber quem está para cruzar nosso caminho. E voltamos fortes para dar adeus a quem precisa seguir outra estrada. E abrimos os braços para os novos desafios, certos de que somos capazes de sonhar outra vez.

A vida é mesmo uma (deliciosa) viagem maluca.

Imagem de capa: GRSI, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Ju Farias
Não nasci poeta, nasci amor e, por ser assim, virei poeta. Gosto quando alguém se apropria do meu texto como se fosse seu. É como se um pedaço que é meu por direito coubesse perfeitamente no outro. Divido e compartilho sem economia. Não estou muito preocupada com meus créditos, eu quero saber mesmo é do que me arrepia. Eu só quero saber o que realmente importa: toquei alguém? É isso que eu vim fazer no mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here