Tenha calma, respire fundo e siga nos seus termos

Quando o desamor apertar, tenha calma. Seja um alguém além dos lamentos e despedidas. Ainda que tenhamos uma responsabilidade afetiva sobre quem está por perto, o mais importante é sabermos que, sem autoconhecimento, o amor não dura.

Você não pode viver mendigando companhia. Antes de qualquer um acenar o desejo de fazer parte dos seus inteiros, é preciso entender das próprias metades. Dê aquela respirada funda. Pense e construa estados de honestidades, onde cada gesto será igualmente distribuído e recíproco. Porque a indiferença foi feita para os preguiçosos de corações. Seres amargurados, inconstantes e indispostos no quesito querer. Eles não sabem, mas termos podem ser reescritos.

Você não deve nada a ninguém. Amores que sobrevivem não funcionam através de aparelhos, mas de um simples motivo, a entrega. Ela que não fere, desacredita e escapa no primeiro sinal de solidão. Entregar-se é saber diferenciar silêncios. Dos instantes em que você alcança e permite o encontro para novos vínculos.

Por fim, você é os seus próprios termos. Você é o reflexo constante das emoções que transborda, cultivando e somando possibilidades. Ame-se no desamor para reconhecer o verdadeiro despertar.

Imagem de capa: Look Studio, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Guilherme Moreira Jr

“Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here