Sobre ver você dormir, amor

Silêncio, preciso da calmaria da noite para olhar você dormir. Como pode ser tão linda assim? Percorro cada detalhe do seu sono tão sereno, tão em paz, tão seu. A perfeição do nariz, a doçura dos traços e a boca que mais parece um quadro de Romero Britto, colorido, explosivo, vivo!

Desde que você apareceu na minha vida, logo no primeiro dia, descobri uma parte nunca vista de mim. Um espaço vazio sendo ocupado no primeiro abraço, foi assim que me vi nos seus braços. Menina, que faço agora? Logo eu que nunca fui acostumado com a felicidade, hoje procuro mais cantos para guardar esse amor.

Um dia de cada vez, você me diz. Ah, menina! Quero todos de uma vez, numa dose única, sem pausas, sem desencontros, sem tempo. Deixa eu te querer para sempre aqui dentro, pra sempre mesmo que o sempre não exista.

Deixa eu decorar cada minucioso detalhe do seu corpo, deixa eu me aventurar nas curvas dessa estrada que me leva tão longe. Deixa eu ser a pessoa certa, na hora certa, aqui e agora. Não tenha medo da intensidade do meu amor, pois ele é tanto que pode amar por nós dois.

Sobre o tempo? Deixa que passe voando ou que não saia do lugar. Não importa a hora ou quanto tempo vai ficar. Sou capaz de ajustar os segundos do relógio para que possa viver mais ao seu lado. Vai, amor, continua dormindo, estou aqui observando tudo como quem lê um poema.

Poema, você parece um poema de um verso só, desses raros de encontrar. Deixa que eu leia todos os dias a rima da sua vida, deixa que eu escute sobre seu dia e sobre esse modo esperançoso de perceber com o mundo.

Deixa, amor, deixa que mostro o caminho, apenas me siga sem medo, sem freio. Agarra forte em meu peito, desse jeito. Fecha os olhos, pode sonhar a vontade. Sonha, amor! Sonha que quando você sonha, você sorri.

E quando você sorri, toda vez que você sorri, o mundo inteiro se abre pra mim.

Imagem de capa: Realstock, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Ju Farias
Não nasci poeta, nasci amor e, por ser assim, virei poeta. Gosto quando alguém se apropria do meu texto como se fosse seu. É como se um pedaço que é meu por direito coubesse perfeitamente no outro. Divido e compartilho sem economia. Não estou muito preocupada com meus créditos, eu quero saber mesmo é do que me arrepia. Eu só quero saber o que realmente importa: toquei alguém? É isso que eu vim fazer no mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here