Nelson Rodrigues de uma forma que você nunca viu

Ao falarmos em Nelson Rodrigues as primeiras descrições que vem à mente é “pornográfico, tarado e indecente”, e essa fama se deve à forma como suas obras foram apresentadas e como sua figura foi exposta à sociedade na década de 50.

Não que ele não fosse um tanto quanto audacioso em suas crônicas, mas limitá-lo a um tarado literário é, no mínimo, limitá-lo ignorância de quem não o conhece.

Perguntando pelo repórter J. J. Ribeiro como definiria a própria personalidade, Nelson Rodrigues, surpreendentemente, respondeu: “o sujeito mais romântico que alguém já viu. Desde garotinho sonho com o amor eterno. Na minha infância profunda os casais não se separavam. Havia brigas, agressões de parte a parte, insultos pesadíssimos, mas o casal não se separava. Sou um menino que vê o amor pelo buraco da fechadura. Nunca fui outra coisa. Nasci menino, hei de morrer menino. E o buraco da fechadura é, realmente, a minha ótica de ficcionista. Sou (e sempre fui) um anjo pornográfico”.

Intelectual, jornalista e cronista esportivo, Nelson ganhou espaço na imprensa na época do militarismo no Brasil- governo Vargas, enfrentou a Segundo Guerra, passou pelas revoluções culturais de 60 e 70, pelo feminismo e, novamente, por outro governo militar. Portanto, tinha conteúdo, inteligência e conhecimento empírico para escrever sobre o que quisesse.

Nelson não era um escritor do acaso. Era um escritor de História. Escrevia sobre a vida como ela é (textos, aliás, que levaram seu nome ao teatro e, posteriormente, à fama). As histórias saíam de casos que lhe contavam, da sua própria observação dos subúrbios cariocas e das assustadoras paixões que lhe contavam quando ainda era criança. Mas, saíam, principalmente da sua opinião sobre o casamento, o amor e o desejo (E que, cá entre nós, muitos compartilham da mesma opinião e não tem coragem de compartilhar).

O ódio e o preconceito enfrentado na pele por Nelson, e que ele demonstrava não se importar, já que dizia que “toda unanimidade é burra”, tinha dois motivos específicos, além de jogar no ventilador assuntos polêmicos, Nelson não poupava ninguém. Políticos, líderes religiosos, chefes de famílias, homens, mulheres…ninguém! Com reflexões profundas e os mais diversos temas sociais, seu sarcasmo velado eram expostos em forma de literatura.

Um exemplo de seus temas polêmicos refere-se à beleza feminina. Enquanto Tom Jobim e Vinícius escreviam Garota de Ipanema, na década de 60, Nelson escrevia que: “na ‘mulher interessante’, a beleza é secundária, irrelevante e, mesmo, indesejável. A beleza interessa nos primeiros quinze dias; e morre, em seguida, num insuportável tédio visual. Era preciso que alguém fosse, de mulher em mulher, anunciando: – Ser bonita não interessa. Seja interessante”!

Nelson não um escritor de encantos ou desencantos. Não era sutil, tão pouco carregava o lirismo que a época literária exigia, mas, era autêntico e sabia que verdades deveriam sempre ser ditas, a todo e qualquer custo.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Pamela Camocardi
A literatura vista por vários ângulos e apresentada de forma bem diferente.

1 COMENTÁRIO

  1. Na vida, a gente só sabe que ama alguém, a gente só tem o direito de dizer a alguém que o amamos depois de ter dito infinitas vezes a esse mesmo alguém a frase: eu perdoo você.
    Porque na verdade a gente só sabe que ama, depois de ter tido a necessidade de perdoar.
    Antes do perdão a gente pode ter admiração por alguém, mas admirar alguém ainda não é amar, porque admiração não nos leva a dar a vida pelo outro. Admiração é um sentimento, uma situação superficial, eu admiro aquela pessoa, mas eu sei que amo depois de ter olhado nos olhos, saber que errou, que não fez nada certo e ainda sim eu continuar dizendo que “eu não sei viver sem você”, “apesar de ter errado tanto continuas sendo tão especial para mim”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here