“A responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam”

Em 1995, a literatura ganhava um dos maiores presentes para o intelecto humano: o livro “Ensaio sobre a Cegueira” de José Saramago.

Longe, muito longe mesmo, de se tratar da cegueira física, Saramago usava suas personagens para relatar um assunto polêmico e, infelizmente, atual: a cegueira moral.

Denominada de “cegueira branca’ pelo próprio autor, “Ensaio sobre a Cegueira” discorre sobre assuntos polêmicos e delicados, já que trata da “patologia”, como uma das piores doenças humanas.

Saramago utiliza-se do termo “cegueira branca” para representar o egoísmo, a imparcialidade, o medo, a covardia, a raiva e outros sentimentos que cegam o ser humano e o levam à perdição. O livro é tão forte e tão direcionado aos aspectos morais da sociedade que as personagens não possuem nomes, características físicas nem comportamentais.

Logo com a primeira personagem do livro, que ficou cega após um acidente de automóvel, Saramago dá um tapa na cara dos leitores apáticos: “de repente a realidade tornou-se indiferenciada à sua volta”. No decorrer do livro, a situação piora. Com pitadas de sarcasmo e explícita indignação diante do comportamento passivo do ser humano, o autor lança fortes comentários que levam o leitor a refletir sobre as próprias ações: “O medo cega (…) são palavras certas, já éramos cegos no momento em que cegamos, o medo nos cegou, o medo nos fará continuar cegos”(…) “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”.

Saramago joga com a diferença entre as palavras “ver” e “olhar” e isso é proposital. O “olhar” é visto como o ato de enxergar o que está explícito (A luta pela comida, a violência imposta pelo mais forte, a ausência de pudor justificada pela nulidade do sentido visual, a tirania do governo) e o ato de “ver” e “reparar” refere-se a se posicionar diante dos fatos e fazer algo para mudar o quadro triste e degradante da sociedade. “Se não formos capazes de viver como pessoas, ao menos façamos tudo para não viver inteiramente como animais.”

Saramago entende a cegueira como alienação do homem em relação a ele mesmo. No livro, quando a cegueira branca se torna uma epidemia, os problemas da sociedade ficam expostos e aumentam notavelmente, já que ninguém “enxerga” para mudar. Acontece assim: as regras da civilização são quebradas e o instinto de sobrevivência toma conta do homem, constatando o velho ditado, “quem pode mais chora menos”.

Agora, sejamos sinceros: em relação a cegueira moral da sociedade atual, o que mudou de 1995 para cá? Aceita-se, passivamente, a violência psicológica e abusiva, dentro de relacionamentos amorosos, profissionais e familiares, só para “não criarem atritos”. Aceita-se a violência social, desde que ela não nos atinja. Finge-se não ver os abusos que as crianças sofrem, para que “famílias” não sejam destruídas”. Será que, nós também, não fomos infectados pela cegueira moral e fingimos não perceber?

O livro leva o leitor a uma autocrítica e a uma reflexão sobre até que ponto estamos cegos ou somos maldosos. “-É desta massa que nós somos feitos, metade de indiferença e metade de ruindade.” Até que ponto aguentaremos a violência, os roubos, a tirania como situações normais? Até quando seremos passivos diante da fome alheia? Até quando nossos braços ficarão cruzados sabendo que nossas crianças estão sendo abusadas e maltratadas? Até quando aguentaremos relacionamentos abusivos dentro da própria casa? “Quantos cegos serão precisos para fazer uma cegueira”.

“Por que cegamos, não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso, diz, Penso que não cegamos, penso que estamos cegos, cegos que vêem, cegos que vendo, não vêem” (José Saramago).

Imagem de capa: Ensaio Sobre a Cegueira (2008) – Dir. Fernando Meirelles

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Pamela Camocardi
A literatura vista por vários ângulos e apresentada de forma bem diferente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here