O que cabe no ombro amigo

Imagem de capa: GANNA MARTYSHEVA, Shutterstock

O ombro amigo é o lugar onde podemos relaxar a alma do existir diário, onde podemos despir as armaduras, liberar as lágrimas e as gargalhadas descomedidas. É onde podemos ser rosto com olheiras, roupa velha de usar em casa, onde podemos ser nós mesmos- daquele jeito que às vezes não conseguimos ser nem quando estamos sozinhos.

O ombro amigo é como uma praia de nudismo para a alma.

O ombro amigo é o lugar onde tudo é de graça, nada é ensaiado, nada é cobrado. No ombro amigo, não se troca palavras sábias por sorrisos, um favor por outro, uma ajuda por compromissos. No ombro amigo às vezes as trocas não são justas, não existe balança tentando equalizar o que foi dado e que o que foi recebido. O ombro amigo é uma feira de trocas livre, às vezes trocamos uma camiseta velha por um vaso de porcelana chinês. No ombro amigo a gente dá o que pode e recebe o que o outro pode dar. Injusto assim, mas se os dois lados saem felizes e satisfeitos é isso que importa.

O ombro amigo não tem sempre mãos estendidas, olhares piedosos, sorrisos doces, mãos na cabeça, palavras de consolo. O ombro amigo às vezes nos deixa cair, nos vê ali no chão, feridos, pequenos, indefesos e apenas nos dá espaço e liberdade para que nós mesmos limpemos o sangue dos próprios joelhos, as lágrimas do rosto e levantemos sozinhos, com o coração cheio de novas brincadeiras.

O ombro amigo não nos fortalece, ele nos ensina a ser forte.

O ombro amigo não é muleta, é espaço para voos e quedas.

O ombro amigo é onde podemos compartilhar nossas fraquezas, vergonhas, medos, não esperando receber conselhos sábios, mas rindo juntos do que nos faz feios e pequenos. O ombro amigo pode ser enorme e pode ser pequenininho, assim como nós. O ombro amigo não quer nos ensinar nada, não fala muito de verdades do mundo, é mais ouvido do que língua. É mais troca de experiências do que palpites e juízos. É mais coração do que cérebro.

O ombro amigo não compete, não exige, não cria obrigações, não espera formalidades, não espera fidelidade ou prioridade. O ombro amigo deixa ser. O ombro amigo nem sempre está por perto, às vezes não tem tempo, às vezes mora longe, às vezes precisa abrigar-se em outros ombros amigos, mas isso não importa, porque quando está presente ele sempre é aquele velho ombro amigo de sempre. Familiar, confortável e bom.

O ombro amigo é onde podemos descalçar os sapatos e enfim respirar aliviando o peito de tudo que temos que ser no mundo, mas não somos por dentro.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Clara Baccarin

Clara Baccarin escreve poemas, prosas, letras de música, pensamentos e listas de supermercado. Apaixonada por arte, viagens e natureza, já morou em 3 países, hoje mora num pedaço de mato. Já foi professora, baby-sitter, garçonete, secretária, empresária… Hoje não desgruda mais das letras que são sua sina desde quando se conhece por gente. Formada em Letras, com mestrado em Estudos Literários, tem três livros publicados: o romance ‘Castelos Tropicais’, a coletânea de poemas ‘Instruções para Lavar a Alma’, e o livro de crônicas ‘Vibração e Descompasso’. Além disso, 13 de seus poemas foram musicados e estão no CD – ‘Lavar a Alma’.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here