Intimidade: aquela coisa que desnuda mais alma que corpo

Imagem de capa: FCSCAFEINE, Shutterstock

Intimidade é aquela coisa que assombra, que você não pede mas quando se dá conta já aconteceu.

Sim assombra porque ela é reveladora, não dá para fingir diante da intimidade.

É o se sentir à vontade, o não medir palavras e ações, é estar inteiro, livre para ser sem medo de censuras ou reprovações – pelo menos é assim que deve ser.

Alcançar esse nível com alguém é maravilhoso, senão fundamental, pois abre a oportunidade de mostrar o melhor de nós, ou apenas o nós refletido em nossos parceiros/espelhos.

Ser íntimo é desnudar a alma por completo. Aliás, acredito que intimidade é isso: deixar a alma mais nua que o próprio corpo.

Quem vive um relacionamento de verdade inevitavelmente irá ficar íntimo. E não há porque se intimidar. Ou você vive aquilo com intensidade, permitindo, ou vive na superficialidade numa falsa demonstração de sentimentos e sensações. Bem difícil esse último, por sinal.

Num mundo onde mentira é também sinônimo de fuga, é bom saber que dentro do espaço sagrado que habita o casal existe a pura e generosa verdade de ambos.

Intimidade é saudável e indispensável na relação a dois.

É poder acordar de manhã de cara amassada, maquiagem borrada, desfilar de pijaminha furado ou só de cueca pela casa. É deitar no sofá nas poses mais enlaçadas, rir de qualquer piada, comentar sobre tudo ou simplesmente não falar nada. É se sentir à vontade, dizer o que pensa, dizer com amor, é falar baixinho, é mandar recadinho sacana é poder falar de sacanagem, é rir de bobagens é programar a vida com entusiasmo sem medo do futuro.

Mas há um porém diante de toda intimidade que é importante se levar em conta: o respeito pelo espaço do outro. Sim intimidade aproxima, une, mas é bom o casal entender que não se tornam um, eles são dois numa relação de confiança e lealdade – isso é importante. Se for assim, que cada um saiba respeitar o espaço sagrado do outro e permita também a privacidade. Não dá para abrir mão dela.

A privacidade resguarda, protege e mantém a individualidade na relação, que é importante também para que cada um possa viver em sua unidade e compartilhar a vida em união.

Há casais que permanecem unidos por longos anos pelo laço da intimidade, por isso é fundamental que o que é do casal não é tratado em público. Preservar o parceiro é essencial para uma relação saudável, de respeito e total entrega.

A intimidade também é magica pois conecta as mentes e cria o que podemos dizer de “telepatia do amor.” Quando casais estão bem próximos, eles pensam de forma igual e às vezes quase simultâneo. É possível saber o que o outro quer, pensa ou sente apenas pelo olhar. Diante desta magia, aprenda a respeitar seu parceiro. Nutra isso com amor.

Não tema a intimidade. Para viver este tipo de relação, procure se conhecer primeiro o suficiente para poder dividir sua vida com outro. Ele também irá desvendar muitas coisas dentro de você as quais você não tinha acesso. Permita. O outro é será sempre nosso mais precioso instrumento de aprendizado.

Intimidade é o laço que une e nos faz mestres de nós de nossos companheiros.

COMPARTILHAR



RECOMENDAMOS



Anieli Talon
É jornalista, atriz, locutora, dubladora e tem a comunicação como aliada. Escritora por natureza, tem mania de preencher folhas brancas com textos contagiados por suas inspirações .

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here