Reconciliar-se consigo mesmo é o começo de tudo

Imagem de capa: Artem Oleshko, Shutterstock

O começo de tudo é aceitar a realidade, tal como ela é. A vida flui permanentemente, e no seu transcurso nos deixa um sem número de experiências que constituem o nosso conhecimento. Este conhecimento se refere a nós mesmos, aos outros e a tudo que nos rodeia. As experiências podem ser estimulantes, divertidas e fantásticas, e isto dá uma dose extra de sabedoria a nossa própria existência.

Também existem experiências dolorosas, porque desde o começo a vida é feita de carências, frustrações e impossíveis. Quando não se pode reconhecer isto, surgem os temores, a desconfiança e o pessimismo. De fato, acabamos nos culpando. Então, se chegamos a este ponto, é fundamental encontrar o jeito de se reconciliar consigo mesmo.

“Nenhum homem pode se sentir confortável sem ter a sua própria aprovação.”
-Mark Twain-

Um dos recursos terapêuticos mais difundidos e que melhores resultados oferece consiste em observar-nos com mais indulgência. Não é fácil, mas é importante aprender a aceitar nossas limitações e nossos traços individuais. Não é preciso ser tão duro consigo mesmo, nem começar uma luta sem fim contra a nossa própria personalidade pensando que está é totalmente horrível.

O primeiro passo para se reconciliar é olhar-se no espelho

É provável que não nos agrade totalmente, ou pelo menos uma parte de nós, quando nos colocarmos diante do espelho. Talvez tenhamos a tendência da autocrítica severa e de forma negativa.

Muitas vezes sequer olhamos para nós, mas nos comparamos com um ideal mental. Por isso é importante aprender a se observar com cuidado e, por que não, com carinho. No começo, uma boa ideia é conhecer e reconhecer essa imagem física. É única no mundo e não pode ser comparada.

Outra boa ideia tem a ver com olhar-se no espelho do nosso próprio mundo interior. Ali existem virtudes e limitações como existem em qualquer ser humano. Assim, conseguiremos aceitá-las quando entendermos que todos, absolutamente todos, somos impregnados de imperfeição.

Se não conseguirmos aceitar a nós mesmos, não conseguiremos aceitar os outros. Um traço que diferencia quem se aceita e se aprecia é que também pode valorizar os outros. Pelo contrário, quem mantém uma batalha interior sem trégua também transfere este conflito aos outros.

Não é preciso viajar ao Himalaia e entrar em um estado de concentração e silêncio absoluto para olhar para dentro de nós mesmos. A princípio, para se reencontrar bastam apenas duas coisas: querer se encontrar e estar perdido. Para se reconciliar consigo mesmo, se aceitar e gostar de si, primeiro é necessário se conhecer, para depois se reconhecer a partir da bondade e da compreensão.

Aprender a perdoar a si mesmo

Às vezes não conseguimos nos aceitar porque nos encarregamos de nos encher de culpa. Não reconhecemos um defeito ou uma limitação como uma realidade de todo ser humano. Em vez disso, nos repreendemos e aprendemos a transformar os erros em um lastro que carregamos para sempre. Não conseguimos nos perdoar pelos erros e nos comportamos como se fôssemos inimigos de nós mesmos.

No interior de todo ser humano se abrigam as dúvidas a respeito de si mesmo. Por esta razão, a princípio é muito importante aprender a identificar a forma como nos relacionamos com os próprios pensamentos. É importante detectar essas linhas de pensamento autodestrutivas. Pense que superar a percepção negativa que você possa ter sobre si mesmo irá libertá-lo dessa prisão.

Não importa o grau de perfeição que procuramos alcançar. A natureza humana, embora maravilhosa, é imperfeita. E talvez esta seja a sua maior atração, porque nos levará a tentar sermos melhores no dia a dia.

Do mesmo jeito, reconhecer nossas limitações é um passo importante para a maturidade e a sabedoria. E o melhor de tudo isso: constitui uma experiência direta que cada um vive de uma forma diferente.

Sinceridade para com nossos próprios sentimentos

Quando agimos contra o que sentimos, nosso corpo se expressa. De fato, podemos nos transformar em uma espécie de doença para nós mesmos.

Então, não apenas nos atacamos, mas também nos desligamos desse equilíbrio que existe no universo. Lembre-se de que muitas doenças que padecemos têm uma origem emocional, e quase todas estão relacionadas com a autoaceitação e o amor próprio.

Por mais contraditório que pareça, às vezes não conseguimos nos aceitar porque temos uma vaidade gigantesca. Alguns também a chamam de “narcisismo”. Não nos importa sermos nós mesmos, mas sim sermos superiores aos outros. Por isso, não conseguimos aceitar nossos erros e fracassos. Nos apontamos o dedo e nos maltratamos emocionalmente.

Lembre-se de que os erros não levam ao fracasso, mas sim à experiência. O que é certamente um erro é permanecer no lamento de ter errado. Sempre existem formas de ressarcir os erros. Tudo isto faz parte de uma consciência evolutiva que precisa se abrir a novas formas de valorizar e resolver as limitações. O princípio de tudo é se reconciliar consigo mesmo e dar-se a oportunidade de apreciar a pessoa que você é.

Fonte indicada: A Mente é Maravilhosa

COMPARTILHAR
A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

RECOMENDAMOS



1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here