Não ligue o “foda-se”, ative o botão do esquecimento!

Imagem de capa: beeboys/shutterstock

Até pouco tempo, o fim dos relacionamentos amorosos limitava-se a um adeus de portão. Sem troca de farpas. Sem escândalos. Um silêncio contemplativo acompanhava a silhueta do ex-amor que desaparecia lentamente na esquina da rua. Não havia brigas nem alardes. Compreendia-se que o término sinalizava o início de outras experiências e cada um seguia o seu rumo sem olhar para trás. Comportamentos que foram, desastrosamente, substituídos por uma série de atitudes vergonhosas.

Hoje é comum que o fim do amor e da convivência não signifique o esperado desfecho cordial ─ algumas relações continuam se proliferando nas redes sociais num infinito circo vexatório. Uma das partes ou as duas, insistem na troca de insultos. Botões explosivos e indiretas ofensivas impedem que a relação se desligue automaticamente.

Perder o interesse na relação e demonstrar que não há como ressuscitar o vigor dos sentimentos não é errado. A conversa sobre o fim deve ser clara, objetiva e sem meias verdades. Haverá ressentimentos se o outro não se convencer de que não há como sustentar o que já desabou. A liberdade de partir deixando os fatos esclarecidos é uma atitude de respeito mútuo, onde se decide preservar o apreço que havia antes. Mas em alguns casos, é só estopim para a baixaria, a ativação do código de inimizade eterna.

Não há diálogo que dê jeito quando a situação sai do controle, ou melhor, quando a conversa não rende e a grosseria toma as rédeas se espalhando além dos limites da privacidade. Nesse caso, recomenda-se não insistir nem tentar conservar qualquer tipo de aproximação. A solução é esquecer!

Se o outro persiste em bradar que vai ligar o “foda-se” ou recomendar o acesso à lugares degradantes, ative o “botão do esquecimento”. Deixe que fale sozinho e despeje a ira no vácuo. A blindagem mais saudável contra esse tipo de comportamento é a anulação, o afastamento definitivo.

COMPARTILHAR
Ester Chaves
ESTER CHAVES é uma escritora brasiliense. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília e Pós-graduada em Literatura Brasileira pela mesma instituição. Atuante na vida cultural da cidade, participa de vários eventos poético-musicais. Já teve textos publicados em jornais e revistas. Em junho de 2016, teve o conto “Os Voos de Josué” selecionado na 1ª edição do Prêmio VIP de Literatura, da A.R Publisher Editora.

RECOMENDAMOS



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here