E se o amor acabar?

Imagem de capa: 4Max, Shutterstock

E se acordarmos e esquecermos do amor?

De sua existência, temperança, validade e astúcia sobre a vida?! Se não soubermos o que é sentir nada por alguém, nem sequer por nós mesmos? Se o amor partir, quem restará?

Vazios, medos e inverdades daquilo que queremos ser, mas que não conseguimos. Existimos para alimentar o amor, nutri-lo da nossa esperança libertadora e pungente. Porque o amor é necessário. Ele grita aqui dentro e imaginar o mundo sem sê-lo, por mais agridoce que sejam os seus efeitos, é sofrer de uma cegueira que não estamos preparados.

Então não há como viver, sequer pensar. A inexistência do amor é uma possibilidade nula. Amemos todos.

Acordemos de sonhos intranquilos, amando devagar e urgentemente.

Se é possível amar em plenitude, sem motivos grandes, calculados e articulados, não seria em nada espantoso se eu dissesse aqui e agora que, sem compromisso, eu amo você.

COMPARTILHAR



RECOMENDAMOS



Bárbara Fernandes
Sempre escrevi em diários, e guardava-os todos para mim. Até descobrir que existiam mais pessoas que precisavam ler. Então, aqui estamos!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here