Eu sei que eles dizem que ninguém é perfeito.

Imagem: AnnaGorbenko/shutterstock

Mas eu juro, ela é perfeita pra mim. Quando ela não está aqui comigo seja vendo um filme na TV, ou fazendo cafuné nos meus cachos, nada parece fazer sentido aqui dentro. Ela é minha cara, minha jóia rara. Ela costuma ler minhas poesias desconexas e até hoje não sei como entende meus garranchos sem nexo.

Ela anda e desanda uns corações por aí afora, mas sabe muito bem onde repousar teu peito na tarde da noite. Com ela é sempre um apelido carinhoso, um “vem cá” gostoso. Eu costumo chamá-la de “minha infinitude”, mas ela prefere que a chame de “bem”. É carinhoso, ela costuma dizer. Quando ela me admira escrevendo algo sobre ela, eu logo perco a concentração e direciono meus olhares naquelas retinas escuras. Eu, que escrevia sobre todos os tipos de mulheres, agora me vejo obrigado a rabiscar apenas sobre ela. Ela é uma poesia que levaria anos para descrever.

Como diria o Chico: “Temo que não dure muito a nossa novela mas, eu sou tão feliz com ela.”

Ela, pequena de um metro e seus charmosos cinquenta e poucos centímetros, esbanja um sorriso como quem já conheceu todo nordeste brasileiro. Ela tem um olhar de quem veio sul do Brasil, mas beija como mineira, e sabe sorrir como uma Pernambucana. Ela é um misto de tamanha perfeição. Uma pele morena, retinas escuras e umas covinhas nas bochechas que desarmam qualquer exército americano.

Eu poderia escrever um livro sobre ela. Mas quem me dera ter talento pra isso.

Perfeita que só ela;
Tal livro não teria fim.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Pedro Ficarelli
Apaixonado pela poesia feminina. Acredito fielmente que o amor seja o infinito que resolveu morar no detalhe das palavras. Muito prazer, eu me chamo Pedro Ficarelli, e escrevo com o único intuito de pôr palavras onde a tua dor se faz insuportável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here