Do lado de fora do mundo

Imagem de capa: NAR studio, Shutterstock

Você já sentiu que estava do lado de fora do mundo? Quero dizer, já teve a sensação de que as coisas saíram do lugar e algumas sobrevoam sua cabeça sem sentido algum, mas você permanece em outra dimensão? As pessoas se movimentam rapidamente, de um lado para o outro, e a gente mal consegue acompanhar.

O lado de fora do mundo existe e está mais próximo do que imaginamos. Além disso, as pessoas correm mais, isso é verdade absoluta. Fica difícil andar junto quando nosso ritmo está em outra velocidade.

Parece que acontece tudo ao mesmo tempo: o outro lado do mundo e nossa tentativa frustrada de segurar na mão de alguém. Não existe a menor possibilidade de alcançar qualquer pessoa estando do lado de lá.

Mas não há mistério, o lado de lá é só outra parte desse quebra-cabeça que é a vida. E nesse jogo maluco – e cheio de surpresas, vamos tentando juntar as peças para completar o ciclo. Porém, na falta de uma peça já não é mais possível decifrar o enigma.

Viver é esse exercício de descobrir aos poucos, de desvendar detalhes que acabam fazendo toda diferença no resultado final. A grande verdade é que alguns quadros nunca estarão completos. E quanto mais tentamos encontrar essas peças, mais distante elas ficam.

Certas coisas são o que são e pronto. Nada é tão incompleto quanto uma existência vivida para entender os motivos de tudo o que acontece (e do que não acontece). Quem cria a necessidade do inquérito acaba sempre desconhecendo o destino, pois fica ligado demais nos desvios que poderia ter feito. E não fez.

O outro lado é só o outro lado e as peças que faltam são apenas peças que faltam. Nada mais do que isso. Parece tão óbvio, mas não é. Sabe quando que a gente aprende isso? Quando escutamos a música que toca no lado de fora do mundo. E só é possível ouvir essa canção quando estamos em silencio.

Tenho aprendido a ficar em silêncio para entender direitinho essas sensações. E deixa só eu esclarecer: silêncio absoluto, mas um barulhão danado lá dentro, sabe isso? Fora o tambor que faz tum tum descompassado aqui no peito, tem outros sons inquietantes que assombram os tímpanos.

Tenho aprendido a ouvir o que as pessoas não dizem – e elas dizem tanto assim… (Isso pode assombrar o seu tímpano esquerdo, esse localizado no mesmo lado do coração, cuidado!). Detalhes, pequenas sutilezas que não acontecem, olhares que não chegam, telefones que não tocam, ihhhhhh… a lista é longa.

O lado de fora do mundo nos dá a oportunidade da observação, esse sétimo sentido que a gente quase não usa, mas que nos explica muito das peças que não encontramos. Tenho gostado do ditado aquele: silencie e observe por longos períodos.

Silêncio para ouvir o barulho e entender o que ele diz. Vez ou outra essa voz vem de alguém querendo enlouquecer o que já está maluco, mas quase sempre ela acontece dentro da gente, no lado de fora do mundo.

Nem sempre o resultado da observação é do jeito que a gente imaginou, quase nunca é, mas certamente nos poupa de muitas outras coisas que não precisamos sentir, sabe? E se o outro lado do mundo ainda nos chama para uma temporada, só posso dizer uma coisa: é porque ainda não entendemos o que nos leva até lá.

COMPARTILHAR



RECOMENDAMOS



Ju Farias
Não nasci poeta, nasci amor e, por ser assim, virei poeta. Gosto quando alguém se apropria do meu texto como se fosse seu. É como se um pedaço que é meu por direito coubesse perfeitamente no outro. Divido e compartilho sem economia. Não estou muito preocupada com meus créditos, eu quero saber mesmo é do que me arrepia. Eu só quero saber o que realmente importa: toquei alguém? É isso que eu vim fazer no mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here