Chuva de verão

Imagem de capa: vladee, Shutterstock

O dia amanheceu nublado, sabe? Estava vestido de preguiça, dando uma vontade de enrolar na cama. É quinta-feira, a rotina chama. Eu deixei a vontade perdida no meio dos lençóis e abracei a rotina, como todos os dias. Sorri imaginando que o dia seria fresco, mas tudo não passou de imaginação minha…

A tarde deu um solzinho maroto, aumentando o mormaço. Tinha gente na praia, tinha gente no parquinho, tinha gente trabalhando, gente de férias. E tinha calor. O suor escorreu nas minhas costas (que pararam de doer). A fruta desceu geladinha goela abaixo e tomei quase um litro e meio de água fria…

Calor e final da tarde. O céu parecia um filme desses de tornados americanos. Era uma onda preta, gigante, que começava a engolir a cidade. Faz meia hora que ameaçou chover, com o céu feio. O negrume cedeu espaço para um cinza que não assusta. Choveu, muito! Não tinha mais ninguém na praia, não tinha mais ninguém no parque.

No meio do cinza, volta o sol. Lá de cima do morro, já tem sol. Ainda chove, ainda troveja. Meia hora. E já tem sol. Acho que a chuva de verão vem para nos mostrar que nada é eterno, sabe como? Ela chega imponente, mostrando a que veio. Faz um barulho tremendo, destrói uma coisinha ou outra, espanta todo mundo e logo vai embora. A gente devia focar nisso, sabe? Quando vê aquele problema monstruoso, imaginar que é só uma chuva de verão.

Vai cair. Vai assustar. Vai fazer barulho. Você vai estremecer (eu sempre estremeço com os trovões, beijos mãe). Mas vai passar.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Mafê Probst
Engenheira, blogueira, escritora e romântica incorrigível. É geminiana, exagerada e curiosa. Sonha abraçar o mundo e se espalhar por aí. Nascida e crescida no litoral catarinense, não nega a paixão pela praia, pelo sol e frutos do mar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here