Todo oceano já foi barquinho e todo barquinho ainda vai ser um oceano

Imagem de capa: samantha cheah, Shutterstock

Oceanos e barquinhos cruzam destinos o tempo todo. Barquinhos em busca de novas rotas ou na espera de completar o percurso. Oceanos imensos e profundos que observam rios, mares, bacias e os barquinhos.

Enquanto alguns barquinhos navegam apressados com medo de perder o tempo da chegada, outros andam devagar para aproveitar a viagem. Barquinhos se formam o tempo todo, possuem cores diferentes, personalidades distintas e uma coisa em comum: navegam procurando o sentido da vida.

Somos barquinhos que se encontram e se perdem na imensidão no oceano. Podemos nos cruzar lá no início de tudo ou podemos encontrarmo-nos somente ao final do caminho. Alguns barquinhos chegam no meio da viagem e seguem conosco em busca do porto que nos dará segurança. Alguns nem desfazem a mala e já partem para outra aventura.

Já vi barquinhos afundarem por medo da força do vento. Também conheci embarcações que enfrentaram as piores tempestades, mas saíram intactos e destemidos. Há barquinhos que não entram para briga e ao sinal de tempo ruim, logo se escondem em uma ilha qualquer.

Não importa como o barquinho decide cumprir sua passagem, desde que não desista de seguir em frente. Nem todos os marujos serão fortes o suficiente para compreenderem as angústias do infinito e de tudo que os trouxe até aqui.

Porém, outros muitos marujos inflarão o peito ao saber que dessa batalha, entre mortos e feridos, o que se leva de mais importante não é o tempo de chegada, mas de que forma se chegou ao destino.

Enquanto os barquinhos se cruzam e se perdem, o oceano segue firme e pleno diante do universo, que incrivelmente o envolve por completo. O oceano está pronto para nos receber, nos orientar, nos fazer capazes de continuar navegando.

Oceanos não são melhores do que barquinhos, nada disso, mas é que são mais sábios e já percorrem esse mesmo caminho um dia. Já tiveram medo, talvez ainda tenham, porém, sabem exatamente o que fazer com ele.

Esses grandes e performáticos gigantes, que constituem mais de 70% da superfície da Terra, também já foram pequeninos como riachos e rios, e corajosos que são, enfrentaram as maiores adversidades para alcançar a benção de ser um oceano.

Gosto da ideia de ainda ser um barquinho. Claro que quero virar oceano, quem não quer? Porém, sei que ainda preciso terminar esse percurso e mais alguns outros que compreendem meu mapa. Devagarzinho, enfrentando as tempestades e os tsunamis, revendo o destino tantas e tantas vezes, sei que vou chegar lá.

No meu tempo, na minha condição de aprendiz, no meu afetuoso jeito de carregar minha tripulação, é assim que vou navegando. Aprendi que se eu não souber para onde ir, não adianta apressar a viagem ou encurtar o caminho. Paro, descanso o barquinho e me aprumo quando estiver pronta de novo.

Sabe, acredito que estamos todos enfrentando os mares da vida, que podem ser doces e salgados, depende de como direcionamos nosso pensamento – que acaba sendo sempre a bandeira branca da embarcação, o único capaz de nos manter em paz.

Todo barquinho vai virar oceano um dia. Ah, talvez nem todos, mas somente aqueles que acreditarem na fortaleza do seu casco e na grandeza do seu marujo.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Ju Farias
Não nasci poeta, nasci amor e, por ser assim, virei poeta. Gosto quando alguém se apropria do meu texto como se fosse seu. É como se um pedaço que é meu por direito coubesse perfeitamente no outro. Divido e compartilho sem economia. Eu só quero saber o que realmente importa: toquei alguém? É isso que eu vim fazer no mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here