Rei

Com peito estufado para relva, descansando ao sol, você me deixa passar. Te gosto forte, império, inabalável. Te quero sereno, te escolhi mordida. Eu caço, corro, me canso noviça. Você se move certeiro para não gastar energia à toa. Não há de se gastar grunhidos quando um rugido basta. Te quero viril, te quero rei. Porque a loucura me rodeia e eu preciso do seu norte, da sua juba. Apesar da minha natureza sobrevivente, sobretudo, resiliente. Teimo instável, me magoo fácil com a lua em Câncer. Você olha, e repara e vê e enxerga. De longe. Sem por mão. Não gosto que me cerquem. Por isso, eu vou, mas eu volto. Por isso, fico. Por isso, quero ficar no seu corpo feito tatuagem. Escapo, eu rascunho, peregrino. Sangro. Te quero sóbrio. Ébrio. Meu.

COMPARTILHAR
Maria Gabriela Verediano
Mariabonita-MariaQuitéria-MariaMadalena-MariadoCarmo-MariadoBairro Mariavaicomasoutras.Maria.



1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA