O copo

“Deixa o copo encher até a borda que eu quero um dia de sol num copo d’água”.

(Renato Russo)

Meu coração é um copo vazio esquecido num canto. Eu o olho com pena, preocupada com a mancha no móvel. De onde estou, observo as gotas caírem lentas, criando belos sulcos na superfície gelada. Que objeto bonito é um copo. Grande, liso e sem cor, parece exibir o líquido que contém com orgulho de quem ganha presente há muito esperado. Delicado e concreto, não duvida da leveza da vida que o conduz para todo lado. Desistiu faz tempo de tentar não se deixar levar. Hoje vai vivendo um dia de cada vez, percebendo a beleza de cada cômodo da casa por onde é deixado. A amargura de antes virou aceitação de agora e ele vai vivendo sua vida feliz como um bom copo que é. Já percebeu que a madeira da mesa de centro da sala é delicada e se desmancha toda com sua umidade não anunciada. Já presenciou uma briga passional no quarto do casal que sempre se amou tão bem. Já viu um beijo roubado no sofá que virou uma grande paixão que ninguém esperava. Já quase caiu. Já quase quebrou. Já se arranhou um pouco no guarda-louças apertado. E certa vez quase trincou ao despencar e se derramar pelo tapete caramelo de tecido muito grosso e felpudo. Ficou assustado por um momento mas, por outro, pode ver a imensidão devastadora do piso que não se acabava nunca. Então havia muito ainda pra ver e ele não sabia. Como era grande esse mundo em que ele vivia. Respirou aliviado por ter sido levado direto pra pia renovadora de suas forças vitais. Foi lavado, observado de perto, revirado de cabeça pra baixo. Afinal, copo trincado é o maior perigo. E foi posto enfim em cima da mesa, junto com os demais. Ainda estava um pouco assustado. Chegou a comentar com um e outro sobre o que acontecera. Ninguém acreditou na história que ele contava. Como pode um copo cair daquela altura sem se despedaçar? Ou sem ao menos trincar com o susto? E ainda mais poder ver que existe vida além da porta de entrada da casa. Ele só podia estar exagerando nos fatos. Nenhum copo havia atravessado esse limite entre o irreal e o permitido. Por que ele? Porém, não se importou com os comentários furtivos e prosseguiu em sua missão de reluzir para melhor se adaptar. Haveria tanto ainda para ver pelo mundo, tanto para encontrar. O que não ia era ficar parado esperando inerte alguém o levar para algum lugar.

Crônica do livro As Maravilhas do País de Alice, Scortecci, 2008, de Alice Venturi.

COMPARTILHAR
Alice Venturi
“Burila as palavras com a maestria de quem enxerga as veredas do ser como pontos de passagem, onde tudo é passível de transformação. Os sentimentos se entrelaçam, vão da risada escancarada à mágoa que mancha as horas com um encardido que não sai fácil. As palavras dela não saem fácil da gente, perpetuam-se nos recônditos espaços, proliferam sentidos e criam raízes fundas. A “Palavra” que estilhaça e esfuzia sentidos é a mesma que embala e cura a alma das mazelas cotidianas. Chega para sublinhar a sofisticação do simples, para propor o jogo poético das imagens que se entrelaçam desvelando tudo que vibra e faz vibrar. Fotógrafa, poeta, produtora artística e professora são algumas das nuances dessa carioca de alma furta-cor que vive suscitando diálogos entre os diversos campos artísticos e convocando à emoção, ao delírio ─ ao voo. Formada em História da Arte pela UERJ, Alice tem um livro publicado, “As Maravilhas do País de Alice”, pela Scortecci Editora, 2008”. Ester Chaves



DEIXE UMA RESPOSTA