Ninguém se cura ferindo os outros

Por Cristina Tilde

Nenhuma pessoa ferida se cura projetando a sua dor nos outros, e muito menos nas pessoas que ama. No entanto, é possível que já tenhamos passado por essa situação, mesmo sem querer ou sem perceber.

É muito triste sentir-se mal consigo mesmo, mas é ainda mais triste ter a consciência de que, como um mecanismo de defesa, estamos nos protegendo ao utilizar um instrumento perverso: aumentar a tensão nas relações com os outros. Projetamos contra elas a frustração e a dor que sentimos por dentro porque intuímos que, aconteça o que acontecer conosco, elas vão nos perdoar.

Pense, você não se arrepende de ter machucado alguém da sua vida devido a um bloqueio emocional do qual você não via nenhuma saída? Ou não é verdade que alguma vez o machucaram tanto que depois você se fechou completamente a pessoas que talvez mereciam uma oportunidade?

“Abra o seu coração e não tenha medo de que o quebrem. Os corações partidos se curam. Os corações protegidos acabam se transformando em pedra.-Anônimo

O coração é um dos órgãos mais valiosos, é a representação do nosso centro emocional, o companheiro anímico que mais temos que cuidar. Por isso não é saudável que o coração se feche, pois se o fizer, além de entrar o frio, só poderemos oferecer frio: se estamos sofrendo, é bom entender que temos um processo terapêutico no interior que, por não ser oferecido, prejudica os que estão ao nosso redor.

O processo de cura ocorre em si mesmo

Quando exploramos o exterior de uma maneira ou de outra, não fazemos isso devido ao que há no lado de fora, mas por aquilo que nasce de uma lesão que está no lado de dentro. Imagine que nós caímos, fazemos uma ferida e a deixamos sem tampar nem limpar, o que vai acontecer?

CAPA2

Em primeiro lugar ela pode se infectar, o que dará muito trabalho para solucionar. Em segundo lugar, também poderia ocorrer de alguém passar ao nosso lado e esbarrar em nós sem querer. Neste caso, isso iria doer e nós reagiríamos de forma negativa em relação a quem tocou em nós; no entanto, o problema não é a pessoa que esbarrou, mas sim que não curamos a nossa ferida no momento adequado.

“Cada vez que alguém fere a outra pessoa, o faz a partir de sua própria ferida. Quanto mais profunda, mais danosa”.-Miguel Ángel Núñez-

O coração precisa aceitar a situação que incomoda e a maior parte do processo de cura está em entender quais saídas permitem superar o que faz sofrer: parar para refletir sobre esta situação que queremos deixar para trás é um ato individual que requer muito esforço e sacrifício da nossa parte. Se não nos esforçarmos o suficiente, poderá parecer que a situação passou, mas na realidade vai continuar estando ali e não vai nos deixar caminhar.

Ninguém quer nos ver assim

Por outro lado, como comentamos, além de si mesmo está a outra parte com a qual às vezes pagamos o sofrimento pessoal. Teoricamente, seria excelente para todos se cada um tivesse essa ideia em mente: se aqueles que estão comigo fazem isso porque me amam e são felizes em me ver bem, não é justo que elas paguem pela minha falta de paciência com eles ou que tentem mudar o que me incomoda.

Aproveitando o aniversário do querido escritor de O Pequeno Príncipe, buscamos uma premissa que ele deixou incorporada no seu trabalho: embora a reação mais primária de qualquer animal, incluindo o ser humano, seja a de criar um quartel de defesa após ter sido machucado por outra pessoa, nem todas as pessoas querem nos fazer mal nem têm culpa pelo que aconteceu conosco.