Não caibo

Eu queria saber esparcar. Queria ter um filho com você, se filho não fosse como tatuagem. Teria, se filhos não travassem as pernas. Eu sei que tem gente que dá a volta ao mundo feito cegonha. Eu sei. Mas é que eu não tenho a musculatura das costas fortes, é minha anatomia avisando que quanto menos peso melhor. Inclusive no meu próprio corpo. Você diz que eu tenho um corpo longilíneo e eu acho que apesar das pernas longas, tenho dado passos curtos demais. Por isso, tenho pressa. Eu quero compensar a falta de espaço com velocidade. Não basta carregar as cicatrizes, agora eu tenho que causar danos maiores. Além das costas, os ligamentos do joelho e pé comprometidos. A vó dizia que eu iria longe com teimosia que tamborilava entre as batatas da perna, mas eu rodei feito pipa perdida e caí no mesmo lugar. Quem sabe se a pipa soubesse esparcar caía pelo menos a duas milhas de distância. Eu queria ser mais paciência, mais redenção. Mas só sei pecado de ira, de gula e luxúria. Só sei de excesso.

Por isso, não caibo.

Por isso, não dá mais um por dentro.

Ao lado é melhor.

COMPARTILHAR
Maria Gabriela Verediano
Mariabonita-MariaQuitéria-MariaMadalena-MariadoCarmo-MariadoBairro Mariavaicomasoutras.Maria.



DEIXE UMA RESPOSTA