Fode comigo, mas não esqueça quem eu sou

Fode comigo, mas não esqueça quem eu sou. É que por baixo da maquiagem, das unhas pintadas, da calça jeans azul e da calcinha fio duplo, ali estou eu.

Fode comigo, mas me dê um beijo de despedida e prometa uma ligação em um dia desses… E ligue. Me chame para me contar algo dos seus dias e para saber de que lado da vida estou, como bons amigos de um domingo à tarde. Para acreditar que algo daquilo que fazemos fica e que a solidão que às vezes bate na porta não é exclusivamente minha.

Fode comigo, mas não fale para os seus amigos daquilo que eu te mostro. Não estou falando das posições sexuais, mas das marcas do meu corpo, das palavras que eu digo e dos gemidos que eu te dou. Não fale da minha tatuagem no peito e nem da minha cicatriz no fim das costas, estes são segredos que eu te conto, privilégio seu.

Tire a minha roupa enquanto o mundo acontece lá fora, enquanto uma criança brinca no meio da praça e um país declara guerra para outro. Me beije em todas as partes do corpo, enquanto um homem descobre que vai ser demitido da empresa e uma mulher se apaixona por alguém na fila do supermercado, pela última vez.

Fode comigo, mas não me ilude. Não te peço palavras bonitas, então não me dê – a menos que sejam verdadeiras. Não fale de amor apenas para foder comigo, nem fale de mundos que você não conquistou. Me mostre a sua verdadeira face sem máscaras e deixa eu te desejar por ser exatamente quem você é.

Fode com toda a vontade do mundo. Descarrega a sua raiva em mim e me deixa ser o seu alívio. Fode para esquecer o passado ou para distrair o presente, mas me olha nos olhos enquanto isso, me dê o melhor de você naquele momento. Seja inteiramente meu, independente dos verdadeiros motivos de estar ali.

Fode comigo, mas cuida de mim. Puxa o meu cabelo para me deixar com mais vontade e para satisfazer os seus devaneios sexuais, mas me faz um cafuné depois de tudo isso. Me chupa sem pudores, me morde com delicadeza e me aperta com vontade, mas me dá um beijo caloroso na bochecha no final de cada ato. Faremos tudo outra vez.

Fode comigo, mas não esqueça quem eu sou. É que apesar de toda a safadeza do mundo, ainda preciso de carinho e atenção, porque elas são complementares e não excludentes. Porque por trás da minha risada leve, levo um peso na alma. Resquícios da vida de quem já se entregou e se decepcionou demais.

Fode com tudo, mas não com o meu coração. Porque depois de todos os lençóis molhados e o suor dissipado, é ele tudo o que eu tenho. Fode com a minha vontade de sentir naquele momento, mas não com a minha vontade de viver.

Fode comigo, mas não esqueça que do outro lado tem uma pessoa, com medos e sentimentos, com histórias vividas e um coração enorme, já machucado, mas ainda vivo, assim como qualquer outra.

Fode comigo, mas não esqueça quem eu sou e me avise, antes de tudo, quem você é.

COMPARTILHAR
Francisco Galarreta
"Empresário, 26 anos, peruano, mas gaúcho de coração. Meu fascínio é observar as pessoas e compreender os sentimentos alheios. Sofro de empatia crônica e sou adicto em criar emoções. Como resultado destas características, nascem inúmeros textos sobre amor, relacionamentos e outras variáveis."



3 COMENTÁRIOS

  1. Que texto lindo, intenso, sincero e emocionante. Infelizmente pessoas que deveriam ler este texto nem passam por aqui, porque para eles, sensibilidade é ridículo e até talvez sinal de uma fragilidade inaceitável e inadmissível.

DEIXE UMA RESPOSTA