Você teve a sua chance, agora o coração dela é meu

Quando eu a vejo levantar da cama fico pensando no tipo de cara que você foi para ela. Certamente um tipo que não soube amá-la da forma como ela merecia ser amada.

Acho que o sorriso dela te atraiu, te chamou para perto, mas depois que vocês estavam juntos você se apoderou dela e quis represá-la em você. Mas ela é mar, não se represa o mar. Ela é imensidão na qual só os que são de verdade conseguem se jogar.

Ela é tudo que um homem deseja em uma só mulher. Ela é a menina que olha atenta para as mágicas do andarilho trôpego. Ela é a soberana que sentencia os que se aproveitam da boa vontade dela. Ela é um universo entre uma e outra.

Fico pensando em como você conseguia olhá-la nos olhos. Em como conseguia sequer beijá-la. Você não conseguiu enxergar o tamanho dos sonhos dessa mulher. Não conseguiu nem mesmo partilhar das felicidades dela sem pensar em uma forma desfazê-las como quem desfaz um castelo de areia.

Cobrou explicações. Taxou o amor. Transformou-o em tributo o qual cobrava alto. Você não reparou que ela andava triste? Triste pela sua insistência em sempre ter razão. Que relação louca era essa na qual a errada sempre era ela? Ela é a mais certa das coisas que me aconteceu.

Cara, seu sentimento era fim e não começo. Seu ciúme era doentio e você tinha coragem de dizer que isso que sentia era amor.

Somos todos humanos, somos passíveis de acertar e de errar em nossas escolhas e você achou que ela não podia escolher absolutamente nada. Que você tinha o direito de dizer como ela deveria tocar a vida. Você se auto coroou o rei do universo dela. Forçando sua presença, fazendo dela gato e sapato das suas vontades.

Quantas vezes você a viu trocada e na hora de saírem arranjou uma briga? Deixou-a chorando, linda e infeliz, depois de fazê-la experimentar a expectativa do que poderia ser bom.

Você achou que ela iria chorar para sempre. Mas em uma dessas vezes ela enxugou as lágrimas e se levantou. Foi ser feliz. Foi conhecer o mundo. Viajou para longe e para bem perto. Dentro dela. Se conheceu como nunca antes. Permitiu-se esperar pelo amor de verdade e soube reconhecê-lo.

O mundo se encantou com ela, eu me encantei com ela e tive a felicidade de encontrá-la em meu caminho. De reconhecer a luz que vinha dela. Tive a coragem de ouvir o silêncio dos lábios dessa mulher e de me apaixonar por seus loucos dias de tormenta. Tive coragem de amá-la sem exigir que ela fosse outra que não ela mesma.

O amor é para os bons navegantes. Ele não é só calmaria. O amor é para os fortes e eu nela me joguei sem medo de me afogar, sem medo de amar, sem medo de ser feliz.

Algumas pessoas não sabem reconhecer o que têm. Não dão valor aos que estão ao lado. Não adianta querer voltar. Você teve sua chance, agora o coração dela é meu.

Acompanhe a autora no Facebook pela sua comunidade Vanelli Doratioto – Alcova Moderna.

COMPARTILHAR
Vanelli Doratioto
Vanelli Doratioto é uma escritora paulista, amante de museus, livros e pinturas que se deixa encantar facilmente pelo que há de mais genuíno nas pessoas. Ela acredita que as palavras são mágicas, que através delas pode trazer pessoas, conceitos e lugares para bem pertinho do coração.