Pegue todos os seus estilhaços e monte um belo vitral

De todos os acolhimentos necessários, de todos os lugares que você já esteve e se sentiu à vontade, nenhum deve ser mais confortável que a sua própria companhia.

Agora o silêncio não o assusta mais. Não faz com que deseje outra presença. Não desperta o medo. É o silêncio de quem aprendeu a olhar para dentro e sorrir. A maturidade de quem compreendeu que, para se doar é preciso primeiro pertencer a si mesmo. Com todas as colagens das experiências passadas, com todos os recortes que um dia sangraram fundo, com tudo aquilo que permitiu que, a consciência da descoberta aflorasse e falasse mais alto que qualquer outra voz.

Quem aprecia a própria companhia não sente necessidade de justificar as escolhas. Isso não é nenhuma ofensa ao amor. Muito pelo contrário, é uma forma de louvá-lo em sua forma mais genuína: o amor-próprio. O amor-próprio é fruto de uma escavação constante nos labirintos do ser. Se você aceitar o que descobrir de si, vai brotar amor em tudo que é canto.

Todos caem e se estilhaçam. Somos porcelanas, tão frágeis e, de vez em quando, não é pecado recolher-se com algum ferimento grave, ficar dias sem espiar o mundo lá fora, apenas deixar que as emoções circulem e depois se despeçam.

Acolher-se nesse estágio de “pausa”, onde nada parece colar, e o mundo fica tão desbotado e sem graça, com vista para o nada, é demonstrar que esse amor é legítimo e veio para ficar, pois não permite a visita da autossabotagem, e você não se engana dizendo que “está tudo bem” nem topa frequentar lugares para agradar amigos ou quem quer que seja, quando tudo o que se quer é mergulhar na paz do próprio abraço.

De tanto estilhaçar, você montou um belo vitral. Aprendeu a respeitar o seu tempo interior, não renegando aqueles pedacinhos que demoraram para colar. Não enganando a imagem que, de vez em quando, ainda chora no banheiro depois de mais uma queda feia.

De tanto estilhaçar, você aprendeu a aceitar que cada caco também é você, que a espera também é acessório da vida, que desmontar-se faz parte da experiência ontológica. Agora, você aceita e brinca com a sua própria companhia, ri de si mesmo, se abraça por dentro porque já compreendeu que “felicidade é só questão de ser”; e ser é experimentar os extremos, constantemente. Ser é descobrir-se todos os dias; vendaval e calmaria. Um defeito aqui, uma qualidade acolá e não deixar que isso o impeça de ser feliz. É apenas mais uma faceta desse ser complexo que o habita, é mais uma demonstração de força nesse emaranhado todo que o fazem único e especial.

COMPARTILHAR
Ester Chaves
ESTER CHAVES é uma escritora brasiliense. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília e Pós-graduada em Literatura Brasileira pela mesma instituição. Atuante na vida cultural da cidade, participa de vários eventos poético-musicais. Já teve textos publicados em jornais e revistas. Em junho de 2016, teve o conto “Os Voos de Josué” selecionado na 1ª edição do Prêmio VIP de Literatura, da A.R Publisher Editora.

RECOMENDAMOS



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here