Nunca diga que ama se não lhe interessa

Outro dia me deparei com um poeminha de Maria Silva que dizia mais ou menos isso: “Nunca toque numa vida se não pretende romper um coração…”, e as palavras preencheram meu pensamento, me levaram para outras épocas, outros tempos em que eu mesma não tomava cuidado com as vidas que tocava.

Muito além das palavras de Saint-Exupéry, que dizia que somos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos, acredito que é preciso ter cuidado com as vidas que tocamos.

Porque o amor é um terreno frágil, e não pode ser pisado com displicência. Ao contrário, por respeito, requer constante licença.

Há que se ter cuidado com o coração do outro. Não chegar para somar se o que a gente quer é sumir. Não chegar para corresponder se o que a gente deseja é se esconder. Não se aproximar para amar se no fundo a gente quer é abandonar.

O amor precisa de clareza. De gestos delicados que demonstrem a verdade do que sentimos e de certezas que evidenciem se é mesmo pra valer.

Ninguém está livre de se apaixonar e não ser correspondido. Porém, muitas vezes, algumas vidas são tocadas com a simples intenção de despertar sentimentos, e não de fazer valer a pena.

O mundo está cheio de gente confusa. Gente que diz que ama mas prefere ficar sozinho. Gente que num dia lhe manda flores e no outro não responde as mensagens no WhatsApp. Gente que tira a sua paz e não dá a mínima pra falta que faz.

Ninguém sabe ao certo o que vai dentro do coração do outro. Mas a gente sabe o que vai dentro do coração da gente. E por mais difícil que seja, é preciso dar clareza. Por mais duro que pareça, é preciso ser certeza.

Não adie seus planos e seja firme para evitar enganos.

Nem sempre é possível evitar que alguém se machuque ou se confunda com a gente. Nem sempre é possível pedir para alguém não se apaixonar porque não pretendemos fazer o mesmo. Porém, é possível não alimentar carências, desejos e esperanças com falsos juramentos. É possível não jogar com os sentimentos verdadeiros de alguém. É possível colocar os “pingos nos is” pra não prolongar o sofrimento. É possível ser presença para evitar reticência.

Não há nada que se compare com um coração em compasso de espera. Um coração que só enxerga pontos de interrogação e não encontra coerência nas peças soltas de sua história. Fica tudo parecendo um enorme quebra cabeça cujas peças não se encaixam, uma história confusa onde não há lógica entre o que foi dito e o que foi realizado. Fica faltando nexo, entende?

Que sejamos claros e cuidadosos. Claros no querer ou não querer, no amar ou não amar,  no ficar ou se afastar. Cuidadosos ao tocar uma vida, cuidadosos ao demonstrar o que sentimos, cuidadosos ao soprar esperança num coração.

E que não nos falte reciprocidade, pois o bom da vida é amar e ser amado, e não brincar de esconde esconde, pega pega ou cabo de guerra. O bom da vida é viver com transparência, e não ter dúvidas diante de um quebra cabeça sem coerência. O bom da vida é encontrar quem tenha certeza a nosso respeito, e não nos obrigue a viver cheios de suposições. O bom da vida é querer e ser querido, sem jogos de adivinhações…

Para adquirir o livro “A Soma de Todos os Afetos”, de Fabíola Simões, clique aqui: “Livro A Soma de todos os Afetos”

COMPARTILHAR
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



8 COMENTÁRIOS

  1. É difícil querer um amor nem que seja um pouquinho desse amor, não que seja migalhas, mas ter a sensação de que há um sentimento do outro pelo outro. Um sorriso ou mesmo um riso. Muito bonito texto.

  2. É difícil chegar para o outro e abrir o coração e falar sobre os mais profundos sentimentos. Gostar muito não é amar. Assim como “Eu também” não é o mesmo que “eu te amo”. Precisamos ser honestos com nós mesmos, por que talvez estejamos enganando a nós mesmos! E certamente ao nosso parceiro!

  3. O difícil é ter que tomar as rédeas e partir deixar livre aquela pessoa que nos amamos. Saber que o fim do relacionamento do amor acabou de uma parte .Eu não sei o que é pior você escutar da boca da pessoa que acabou o amor o casamento ou você ter que sair da vida dessa pessoa sem palavras. Só sei que dói.

DEIXE UMA RESPOSTA