Julgar uma pessoa não a define… define você!

Se não queremos que façam o mesmo com nós, não deveríamos julgar os demais sem um conhecimento prévio. Os prejuízos, ás vezes, podem fazer com que fiquemos sem conhecer pessoas maravilhosas.

Julgar os demais está na moda. Bom, de certo modo, é algo que todos nós fazemos quase que inconscientemente.

Formamos opiniões principalmente do que nos rodeia, porque assim mantemos certo controle sobre cada aspecto sob uma etiqueta.

“Isso é bom, isso é ruim, essa pessoa eu posso confiar, desta outra melhor me afastar…”

É muito comum cair nos estereótipos e nestas histórias construídas antes do tempo, antes de um aprofundamento maior do que temos na nossa frente, antes de fazer um esforço e nos colocarmos na pele do outro.

Fica claro que nem todo mundo age desta maneira, que existem aqueles que evitam opiniões porque não desejam ser julgados pelos demais, e isso é o que deveríamos colocar sempre em prática, para construir assim uma sociedade mais harmônica e tolerante.

Convidamos você a refletir sobre isso neste artigo.

Julgar, uma arma de dois gumes na qual não devemos cair

Somente por hoje, não julgue; somente por hoje deixe que seu olhar observe o mundo com calma e sem preconceitos, e se limite a “ser” e a “deixar ser”.

Seria, sem dúvidas, ideal que todos nós tentássemos praticar estes simples conselhos diariamente. Deste modo, nossas relações seriam mais respeitosas e criaríamos menos conflitos.

Agora veja bem, o problema essencial é que nosso cérebro social se rege muitas vezes pela necessidade de obter uma informação muito rápida sobre as coisas e pessoas.

Classifica toda a informação e estímulos em categorias, e estas se relacionam, por outro lado, com nossa personalidade e experiências passadas.

– Um exemplo: quando você ia ao colégio havia uma professora que o tratava mal e que tornou seus anos de escola um pequeno “inferno”.

Hoje, você continua lembrando de sua expressão, seu rosto e sua voz, de modo que, quando você encontra outra mulher parecida com a professora, projeta sobre ela uma alta repulsa.

– Muitas de nossas experiências prévias e inclusive aspectos de nossa personalidade, farão com que rotulemos todos aqueles que nos rodeiam de acordo com regras próprias que nem sempre se ajustam à realidade.

Por isso o ato de “não julgar”, de nos aproximarmos das pessoas sem emitir nenhuma opinião precipitada requer, principalmente, um esforço de calma e paciência.

Obriga-nos a controlar aquele “botão automático” que nosso cérebro aperta na hora de rotular tudo o que vê.

Seja sábio: se você julga, também o estarão julgando

Se você evita se relacionar com seus vizinhos porque são de outra raça ou pertencem a outra cultura, na verdade, cada preconceito que você emite o estará definindo. Definem você como uma pessoa racista e com a mente fechada.

O homem que julga uma mulher somente pela medida de sua saia, também está julgando a si mesmo, ao seu machismo.

– Cada vez que criamos uma opinião sobre alguém, é ideal colocar em prática um exercício de reflexão. Por que penso assim? Por que digo, por exemplo, que não vou gostar desse menino porque usa calças roxas e tem uma tatuagem?

– Seja sábio, aja com calma, com comedimento e equilíbrio e tente ver as coisas de forma neutra até que não as viva você mesmo, até que seja conhecedor de cada detalhe e de cada aspecto para julgar com mais certeza. Nunca antes.

Não se baseie em trivialidades na hora de julgar, baseie-se em realidades

É importante enfatizar aqui que todos nós temos direito de manter e defender nossos próprios julgamentos sobre tudo o que nos cerca. Mas veja bem, os julgamentos devem estar baseados em realidades, nunca em trivialidades.

Quando conhecer uma pessoa profundamente, você já disporá da sabedoria que somente a experiência pode dar, saberá se esta pessoa nos agrada ou não, se se ajusta ou não as nossas expectativas.

– Temos que saber que quem gosta de se basear somente em trivialidades na hora de julgar estará perdendo coisas maravilhosas da vida.

– Se você julga seu companheiro de trabalho de antipático, pode ser que você esteja perdendo a oportunidade de conhecer alguém excepcional.

– Quem julga um país ou determinada cidade como suja, perigosa ou pouco moderna, é possível que esteja perdendo a melhor experiência de sua vida ao se negar a conhecer um lugar que possa ser ruim. Permita-se ir com a mente mais livre, sem preconceitos.

As melhores coisas, as melhores pessoas, em certos casos, estão disfarçadas com carapuças tão normais que nos despistam.

Somente quem se aproxima sem julgar e com o coração aberto será digno de conhecer aspectos realmente apaixonantes daqueles que nos rodeiam.

Fonte indicada: Melhor com Saúde

COMPARTILHAR
A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".



DEIXE UMA RESPOSTA