Eu ia dizer que sinto a sua falta, mas você não merece saber

Estou sentindo a sua falta, mesmo. Não é apenas saudade! A saudade bate forte e depois vai embora, de quem algum dia já foi e depois volta. Falta é aquilo que consome e não passa, de alguém que um dia foi e sabemos que, talvez, nunca mais volte. Por favor, sinta a minha falta, também…

Você sabe o que eu sinto, mas finge que não sabe…
E eu sei que você sabe, mesmo assim não sei dizer.

Sinto falta da época em que nos conhecemos, onde nem eu, nem você, sabíamos que um relacionamento poderia acabar. Começamos inocentes, com um sentimento puro e verdadeiro. Eu só tinha olhos para você, o meu coração latejava antes de nos encontrarmos. Nunca fomos perfeitos um para o outro, tínhamos muitas diferenças, mas conseguíamos nos encaixar exatamente do nosso jeito. Sempre resolvíamos os problemas, a cumplicidade era um dos nossos pontos mais fortes. Eu sabia que poderia contar com você, e você também confiava em mim para qualquer coisa. Nos completávamos, desde o movimento das línguas durante o beijo até a moldura da conchinha antes de dormirmos.

Eu sinto falta do frio na barriga que me estremecia quando você estava chegando. A ansiedade tomava conta do meu corpo, eu ficava elétrica e inquieta. Devorava tudo o que estava na minha frente: doces, salgados e livros. Você era o meu maior foco. Não importa o que eu estivesse fazendo, o meu pensamento era cheio de lembranças nossas. Nunca existiu um dia, sequer, que você não tenha invadido a minha mente a ponto de me fazer perder a percepção da hora e lugar. Eu ficava paralisada, em êxtase. Você era um vício, algo que me dominava dos pés à cabeça. E você sabe disso.

Eu sinto falta de compartilhar com você as minhas vitórias e derrotas. De te ligar, no meio da noite, só para ouvir a sua voz de sono e dizer o quanto eu te amo. Eu sinto falta da sua preocupação excessiva, me pedindo para avisar que cheguei bem em casa ou que estou tomando o remédio para me curar de um resfriado qualquer. Eu sinto falta da sua gentileza, de me emprestar a sua blusa quando eu estava gelada com frio. Eu sinto falta de acompanhar a sua rotina. De saber se o seu armário ainda continua arrumado, depois daquela vez que eu organizei a sua bagunça. Se os móveis da sua casa mudaram de lugar. Se você fez a minha comida preferida, ou se arriscou trocar o lado da cama. Eu sinto falta de te abraçar e saber que tenho um porto seguro, de me sentir protegida e cuidada. Eu sinto falta de aprender com você tudo o que você sempre me ensinava. Eu sinto falta do seu toque, secando as minhas lágrimas quando elas insistiam em cair. Eu sinto falta de você me dizendo que tudo iria ficar bem, que era apenas uma fase difícil, mas que você estaria comigo. Eu sinto falta de ler o seu nome no meu celular, seja de uma ligação para lamentar a saudade ou uma mensagem para dizer que tudo está corrido, mas que você está feliz porque nos encontraremos mais tarde. Eu sinto falta de sair triste, mas retornar sorrindo por saber que irei te ver.

Eu sinto falta dos nossos domingos sem fazer nada. Nunca precisamos de muita coisa, apenas a nossa vontade em estarmos de mãos dadas. Não importa o que estivéssemos fazendo, era gostoso e eu me sentia completa. Eu sinto falta de aprender com os meus erros. De perder as apostas que fazíamos, afinal, convenhamos que você sempre foi mais inteligente. Eu sinto falta de brigar com o meu orgulho, voltar com o rabo entre as pernas e te pedir desculpas. De assumir que eu errei e consertar o que fosse preciso para que ficássemos bem. Eu sinto falta da sua calma, me pedindo para ter paciência e respirar um pouco mais fundo. Eu sinto falta de gritar o seu nome quando esqueço de pegar a toalha no banho, ou de te oferecer o meu fracassado prato quando tento cozinhar igual você. Eu sinto falta de tanta coisa, dos mínimos detalhes que só a gente sabe.

Eu queria sair correndo e te dizer que não acabou, que precisamos de uma nova chance. Que podemos, sim, tentar fazer tudo diferente e obter os resultados certeiros. Eu queria te abraçar forte pela cintura, segurar o seu rosto e dar um beijo carinhoso na sua testa. Eu queria que nada disso tivesse acontecido, que voltássemos as nossas vírgulas e que nunca tenha existido esse doloroso ponto final. Eu queria que ainda existisse nós, assim, exatamente no plural. Eu não queria ser singular, sem você. Eu queria continuar fazendo planos ao seu lado, modificar a minha vida de acordo com a sua. Eu queria que os nossos sonhos não estivessem mortos. Eu queria que tudo isso fosse um breve pesadelo, desses terríveis que somem ao amanhecer. Eu queria que fosse você, por ser tudo o que eu sempre desejei. Eu queria que não houvessem despedidas, apenas chegadas. Eu queria que o meu sorriso fosse por e para você, não de desespero com a sua falta.

Saiba que estou bem. Sigo um pouco desequilibrada, mas com o positivismo e o amor em primeiro lugar, em prioridade. Saiba que nada tem sido igual, mas com passos lentos e cautelosos estou tentando chegar à algum lugar. Estou acreditando em um destino promissor, onde dar é receber em dobro. Aproveito, também, para te agradecer por tudo o que você fez por mim. Eu reconheço e penso que, talvez, eu nunca conheça alguém igual você. Com tantas características boas. Não é que eu esteja comparando, mas você sabe que você foi tudo o que eu sempre procurei. E quando encontrei, nos perdemos. Acho que era para ser assim, aliás, não era para ser. Ou durou o tempo que deveria durar, sem culpas. Eu prefiro me conformar com essa teoria do que alimentar a sua falta aqui no meu peito. Ao invés de cultivar, estou secando a rosa que plantamos. Cortando pela raiz, um caule que está cheio de espinhos, mas que era repleto de brotos. Não existe horta sem você, a terra secou.

Sinto muito, eu lamento por tudo.

COMPARTILHAR
Jéssica Pellegrini
Nunca confie em uma escritora confusa e romântica. As controversas entre um texto de amor e outro de desilusão, podem causar questionamentos pessoais. Consequentemente, sequelas mais graves.



4 COMENTÁRIOS

  1. Que texto!
    Não sei se tirou mais da sua mente ou do seu coração.
    Expressa bem umas coisas que vivi.
    Tão inacreditável para mim que me senti dentro de uma novela. :(

DEIXE UMA RESPOSTA