A bailarina que tinha medo de amar

Essa semana ouvi isso: “Flávio, não acredito que existam homens como você. Agem assim pra conseguir o que querem e depois viram fumaça. Fingem ser o que não são. Tenho medo de me apaixonar e de me entregar pra alguém. Estou cansada de sempre ouvir as mesmas coisas e sempre terminar machucada”.

Conheci uma bailarina. Fazia balé desde pequena. Dançar era o que lhe acalmava a alma.

Depois de um tempo conversando, eu a convidei pra sair. Foram meses insistindo no convite. Ela sempre relutante dizendo que eu era utopia. Bom demais pra ser verdade. Que homens românticos são uma farsa. Que todo o carinho e atenção que eu tinha, era pelo fato de eu ainda não ter tido uma noite de sexo com ela.

Um dia, ela aceitou. Levei-a pra jantar. Um restaurante italiano. Ela escolheu o vinho. Tivemos uma das conversas mais sinceras que tive na vida. Quando pedi a conta, ela me perguntou: E agora? A noite termina aqui?- Eu respondi que ia terminar só quando ela quisesse e que confiasse em mim. Ela consentiu.

Entramos no carro, vendei seus olhos. Ela riu sem entender nada. Vinte minutos depois chegamos ao destino. Tirei a venda e ela olhou em volta sem saber onde estávamos. Desceu do carro e viu o letreiro da entrada. Ficou surpresa ao ver que estávamos na porta de um motel e me perguntou do porque de estarmos ali. A resposta que dei à ela, vai pra você também lendo este texto.

Muitas vezes, por medo, orgulho, raiva, machucamos pessoas que amamos ou que poderiam nos amar, pois ficamos cegos diante de várias circunstâncias e fatores externos que afetam nossas vidas. Se envolver com alguém SEMPRE será um risco. Não dá pra ter certeza do que vem depois. É cada um pisando em ovos. Estamos caminhando sobre os sonhos de outra pessoa. Qualquer descuido, pode por tudo a perder. E daí? Vai deixar de viver por isso. Passar o resto de seus dias achando que todas as pessoas são iguais? Sim. Aquele cara te feriu. Quem te garante que o próximo irá te ferir mais ou menos? Quem te garante que não é ele que te fará perceber que o que sentiu antes, não era amor e sim algo bem distante disso.

Eu parei na porta de um motel com a bailarina mais linda que já tinha visto. Ficamos na porta e contamos uns oito carros chegando e entrando no local. Aí eu disse que dentre estes outros que vimos, poderia haver quem se amava, quem estava traindo, quem era só de uma noite e quem buscava amor da maneira errada ou certa.

Você garota, escolhe onde vai. Você escolhe quem vai caminhar ao teu lado. Você escolhe entre ter medo e viver. Não posso lhe obrigar a acreditar que nem todo mundo é igual. Você terá que arriscar se quiser viver um grande amor. Vai continuar crucificando todos os homens porque o último te fez sofrer?

Seque essas lágrimas e saia. Se perca e se encontre em conversas e sorrisos sinceros. Noites de sexo qualquer um pode ter, mas são poucos que dormem do lado de quem ama depois de fazer amor. Acredite. Você pode viver isso. Basta que se permita.

Quando chegou a hora de eu levar a bailarina embora, assim que liguei o carro, ela me olhou como ha muito tempo ninguém me olhava. Naquele momento, ela me beijou. Confesso que me senti um adolescente no primeiro encontro. Em meia hora, encosto na porta de sua casa e só saio assim que ela entra, mas não sem antes me lançar aquele sorriso mágico.

Minutos depois, estou em casa. Meu telefone toca. Era ela do outro lado da linha. Dormi feliz com o que ela me disse: Obrigado por me curar da cegueira que estava apossada em mim. Depois que me deixou em casa, vi que você não é como quem eu deixei pra trás.

Moral da história? Se permita. Assim como uma bailarina, dance com outros pares. Perceba como cada um conduz a dança. Escolha o par que irá ficar. Escolha quem dança em total harmonia com tua canção. A canção que toca teu coração. O dia que isso acontecer, não precisará dançar com mais ninguém. Não duvide disso. Existem danças que começam e duram para sempre, assim como histórias de amor que nunca acabam. Escreva sua.

Para adquirir o livro de Flávio Jonatan, clique aqui em “Do amor e outras coisas”

COMPARTILHAR
Flávio Jonatan
Olá. Meu nome é Flávio Jonatan, sou um pisciano intenso com tudo que faço e me relaciono, e acima de qualquer coisa, acredita no poder do amor e qualquer outro sentimento afetivo positivo. Servidor público pelo estado de Minas Gerais, sou apaixonado pelo universo feminino, futebol, vinhos, cervejas e roda de amigos. Viagem comigo por vários sentimentos e lugares ocultos dentro de ti.



5 COMENTÁRIOS

  1. Onde encontro um namorado assim que seja ouvinte, confidente e companheiro? Está difícil relacionamentos sérios, falta amor, falta sentimentos, falta respeito ao sentimento do outro. Machucar é o que faz do coração sentir o peso de não ser abraçado com amor e carinho.

DEIXE UMA RESPOSTA