Quando as certezas dão um nó e viram pó

É a coisa mais louca que pode te acontecer. É a coisa mais linda que pode te acontecer.
Ajustar e renovar nossas asas às vezes é trabalhoso. É a desconstrução de um mundo de certezas que a gente construiu e desmoronou na nossa cabeça em pó. Mas vale a pena, é uma fase de aprendizado e de criação de uma nova rota pra gente. Aonde a nossa energia também se modifica, por isso atraímos novas pessoas, e afastamos outras. Na pura magia que é sintonia.

O medo pode até existir, mas há também a construção de um novo mundo, uma nova visão que se abre e se expande diante de nós e sobre nós. É o nó imenso que vira laço dentro do nosso próprio compasso e faz a gente escolher novas cores, sabores e amar de asas abertas a vida nova que se desperta.

Nesse novo mundo, podemos escolher outras sementes, plantar e regar de maneira diferente. É a nova oportunidade que se abre, esperando a nossa disposição e inspiração para fazer brotar. Recomeçar é tarefa para quem tem os olhos renovados pelas lentes da fé, aquela que flui. Para quem acredita na beleza do tempo que tudo pode transformar.

Quando as certezas nos dão um nó e viram pó, é quando a gente vira estrela e aprende a brilhar.

 

COMPARTILHAR
Meire Oliveira
Meire Oliveira é Escritora, Poeta e Coach de transformação. Amante das estrelas e das estradas. Autora dos livros Pintando Borboletas e Vai Com Fé que Flui. Conjuga o verbo escrever com vários outros juntos: ama, sente, vê. Por isso nasce e renasce em palavras que palpitam nela.



DEIXE UMA RESPOSTA