Não consigo ser mais do que isso

Por Márcio Rodrigues

Tudo de bom que sou e que tenho, você já conhece e te dei.
Nunca faltou carinho, porque todo o que eu tinha na vida dei para você. Nunca faltou atenção, porque você sempre foi a prioridade dos meus olhos e do meu coração. Nunca faltou companhia, porque eu sempre falei que poderia contar comigo, mesmo que fosse para fazer nada. Quando a gente reconhece que temos uma pessoa inteira com a gente, a busca pela felicidade com alguém termina e começa o prazer em aproveitar.

Para mim, sempre foi você.
A gente sabe como é tarefa difícil saber conviver com alguém e todas as instabilidades que vem com outra pessoa na nossa vida. A gente sabe. Mas tudo fica tão mais fácil quando a gente dorme com a certeza de que temos alguém do bem ao nosso lado, e não só alguém para chegar, aproveitar e ir embora. E eu sempre fui esse alguém para você. Quem te via dormir e quem estava ao seu lado quando acordava. Quem te elogiava nas terças-feiras normais e quem te apoiava nas segundas-feiras estressantes. Eu sempre fui.

A gente só não conta com o inesperado da vida, né?
Eu não esperava te cansar, até porque, pra mim, era combinado que quando uma coisa não estivesse tão legal entre nós, a gente conversaria. Só que a gente não conversou direito e, pouco a pouco, fui te vendo se entediar com a minha presença na sua vida. Mesmo sendo inteiro como falei, mesmo estando presente como sempre estive, mesmo te lembrando da sua importância para mim com gestos e palavras, acabei me desfazendo diante dos seus dias. Virei paisagem. Parece que fui de “a pessoa certa” para “uma certa pessoa”. Aconteceu. Este é o fato.

Não consigo ser mais do que sou, até porque nunca fui nem metade com outro alguém. Falo isso porque a impressão que eu tenho é que você gosta de mim, mas gostaria mais se eu fosse de um outro jeito que você gosta – um jeito que não sou. Acho que isso tem a ver com aquele momento em que alguém passa a não ser tão fundamental assim na nossa vida. O fim de semana que a gente se via, passa a ser o fim de semana que talvez a gente se vê; aquele filme no cinema que a gente não perdia, passa a ser um filme para qualquer dia.

Acho que nem você percebeu ainda, mas eu percebi pela gente, correndo o risco de estar enganado – é preciso me alertar – , mas certo de que só juntei alguns dos fatos. E isso também me deixa triste: você pode alegar que estou enganado, mas você nunca mostrou outra coisa. Devo acreditar mais no que demonstra ou no que argumenta?

Não consigo ser mais que isso.
Sempre fui um apaixonado em ser para você o que nunca fui para alguém, e isso inclui cada um dos nossos pequenos momentos, das quebras de rotina, das surpresas sem pra quê e dos bilhetes inesperados.
Eu queria lembrar do dia que você me viu como alguém que seria o seu único alguém. De repente eu poderia fazer a mesma coisa de novo para você me olhar assim outra vez.

via Um Travesseiro para Dois

Márcio Rodrigues.
instagram: @marciorodriguees

COMPARTILHAR
A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".



DEIXE UMA RESPOSTA