Amor também é saber a hora de ir embora

Por Fernanda Campos

Fomos criados achando que amor é o único destino da nossa vida, que, a partir do instante em que o encontramos, não podemos desistir nunca. Amor é ficar, amor é permanecer, amor é se agarrar na mureta enquanto a tempestade alaga a sua volta e a correnteza tenta te carregar. Se a pessoa vai embora é porque nunca, nunquinha mesmo, foi amor.

Será mesmo?

Eu vou na contracorrente. Eu acredito mesmo que o amor é nosso destino, mas não só o único. Também acredito que quando a gente encontra, temos sim que fazer o que pudermos – mas desde que isso não esteja acabando com a gente. Sabe? Amor é libertação. É ter alguém do nosso lado que vai nos somar, nos tornar melhores, nos levar para cada vez mais longe. Alguém que nos entenda e que perdoe nossos surtos, vezenquando, nossas fraquezas, as neuroses de cada dia. Amar é mais do que apenas ficar, como um fantasma que não se desapega do lugar que um dia morou – é estar lá, ao seu lado, pra tudo e contra todos.

Amor tem é que nos fazer bem, cê me entende? E quando isso deixa de acontecer, quando a rotina fica insuportável, quando as lágrimas são mais poderosas que os sorrisos, quando as mentiras ficam gigantes, a indiferença perde o tamanho, e a gente perde de vista aquele projeto de ficar juntos e felizes para sempre até o fim dos dias, não importa que seja amor, não importa que seja o único, não importa tudo de bom que já ocorreu entre vocês. Não tem nada a ver com ingratidão em pegar suas coisas e se mandar, sem fazer muito barulho. Amor também é silêncio. Amor também é sair pela porta.

Quintana, o Mário, meu poeta preferido, resumiu bem o que é amor: quando vira nó é porque já deixou de ser laço. Se vira nó, se machuca, se faz sangrar, se abre cicatrizes que nenhum dos dois tem como curar, se já saiu do controle e você já fez de tudo, por que é que você tem que se sacrificar mais um pouco só porque outras pessoas dizem que amor é ficar?

Desapega dessa ideia. Desapega da insatisfação. Desapega de achar que o amor é só isso. O amor é para transbordar, sabe? Pra alagar tudo a nossa vida e colorir toda parte do nosso dia. Não para nos afogar nas águas turvas da mágoa ou da dor. Desapega de acreditar que temos que ficar para sempre com o grande amor das nossas vidas. Quando vira obrigação é porque já deixou de ser amor. Desapega de achar que você tem que salvar um relacionamento em nome de um sentimento que não tem mais reciprocidade. As vezes, a única forma de salvar o amor é nos salvando no final.

Às vezes é melhor juntar nossas coisas, antes que viramos cacos, e dar tchau, do que ficar em nome de uma história bonita, mas que já acabou. Então, fica aqui com meu conselho: se ficar tá te machucando muito mais do que você pode aguentar, saia pela porta. Porque amor, amor de verdade mesmo, para além dos finais felizes, também é saber a hora de ir embora.

via Uma Dose de Café

COMPARTILHAR
A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".



DEIXE UMA RESPOSTA