Se fica, se vai

Há alguns anos, ouvi algo de uma amiga e que nunca mais me esquecerei: “Ferida que não é tratada, não cicatriza, apodrece”. 

Com certeza foi uma das coisas mais certas que ouvi na vida. E logo em seguida criei uma série de bons costumes: Não dormir com raiva de alguém, não prolongar conversas, resolver enquanto se pode achar respostas, e principalmente, ouvir antes de falar.

A vida continua me tratando como ela acha que deve, e não reclamo. Acreditando na naturalidade dos dias e do fluxo, percebo que graças a ela, hoje sou quem sou.

Enquanto escrevia, sentia no peito a dor da indecisão, da confusão e do medo. Dentro de mim cirandam como se fosse a última dança. E aqui fora só consigo reagir assim, poetizando-as.

Todas as vezes que olho para o meu passado, percebo que embora afoita, não carrego comigo o peso das coisas mal resolvidas. Porque ainda que doesse, fui atrás de cada uma delas, resolvi e me libertei. Então, como uma ave no céu, prossegui para aquilo que queria. O Futuro!

Embora não pareça assim tão fácil, enquanto os limites e as despedidas não são feitas de forma segura e definitiva, o passado sempre sufocará o presente. E ele coitado, nunca terá a chance de visitar o futuro.

O acumulo de mágoas apodrece a alma, e feridas não saram sem antes limpá-las. Não apenas as físicas, mas aquelas intangíveis, não palpáveis.

Me pergunto até quando adiaremos as boas novas, as chances de novas escolhas e novas histórias. Até quando andaremos com as correntes nos pés, com a cabeça em um tempo que há muito tempo passou.

Por qual motivo adiamos a cura? Por qual motivo permanecemos no vício, na dor e na imprecisão.

De uma coisa eu sei, e disso nunca abrirei mão. – Ventanias não sobrevivem à chuvas de outras estações. Pelo contrário, elas se renovam como o ciclo das árvores. O inverno passou, agora é primavera.

No passado, o passado.

Se fica ou se vai, é você quem dirá.

COMPARTILHAR
Bárbara Fernandes
Sempre escrevi em diários, e guardava-os todos para mim. Até descobrir que existiam mais pessoas que precisavam ler. Então, aqui estamos!



DEIXE UMA RESPOSTA