Palavras para aquela moça do coração partido

Eu queria te dizer, moça, que embora eu não sinta sua dor, tenho ideia do quanto ela te abate, do quanto ela te tira a vontade de seguir, do quanto ela te deixa descrente, do quanto ela cala seus olhos.

Mas eu também queria te dizer que, embora isso doa muito, tudo se trata de um momento. E momentos passam. Tanto os bons quanto os ruins. Sei que parece que não vai passar, e parece que você não vai voltar a acreditar em romances verdadeiros, mas, ainda assim, eu garanto que passa.

Só não me pergunte o tempo exato, coração não tem dessas coisas… Coração não segue nem sinais de aviso, por que mesmo seguiria o tic-tac de um relógio? Não se afobe não…

Você permitiu-se sentir o amor. Permita-se também que agora doe. Não se culpe pela lágrima que cai ou pelo coração que aperta. Não se culpe por ser intensa e muito menos por ter sido verdadeira e ter tentado até onde deu. Às vezes, demoramos a pular do barco, esperamos até o último minuto, mas pecado maior seria nem ter embarcado em uma história que te trouxe momentos felizes e que trouxe e está trazendo aprendizados. Você cresceu.

Sei que, às vezes, você vai pensar que não haverá mais ninguém nesse mundo capaz de te encantar novamente. E eu não vou garantir que isso vá acontecer. Mas as possibilidades são grandes, sabe. Alguém uma vez disse, que no mundo há pelo menos dez mil pessoas por quem poderíamos nos apaixonar. É tudo uma questão de oportunidade. E um pouco de sorte também… Uma esquina cruzada no mesmo momento, um amigo em comum, um olhar no meio da multidão e pronto: ali pode nascer uma nova paixão, um novo sentido para o seu caminho.

Mas eu também sei que, agora, nada disso te importa muito, porque sua dor está latente, porque o céu parece estar sempre cinza e seus amigos já não têm a mesma graça. Os filmes já não são tão interessantes, os programas sociais então, nem se fala. Tudo lá fora perdeu um pouco de cor, mas isso é porque a transformação está acontecendo dentro de você. O que há de importante agora está aí dentro. Você está sendo lapidada, moça. Qualquer dia desses você vai levantar da cama e perceber o quanto você ainda tem para viver. E dentro de você vai ter Sol, mesmo que chova. E dentro de você vai ter Luz, mesmo que as luzes do seu quarto estejam apagadas. E dentro de você vai ter muito amor, mesmo que você não esteja acompanhada por um outro alguém. Porque você vai estar acompanhada de si mesma. As decepções vão ocorrer até que esse dia finalmente chegue: o dia em que você vai descobrir que é a melhor companhia para si mesma. E a partir daí, então, tudo será mágico, porque o amor não vai ser dependência. O amor vai ser aquilo que vai te transbordar.

Eu sei porque eu também já passei por isso, moça. Já tive o coração partido.

COMPARTILHAR
Nat Medeiros
“Sou personagem de uma comédia dramática, de um romance que ainda não aconteceu. Uma desconselheira amorosa, protagonista de desventuras do coração, algumas tristes, outras, engraçadas. Mas todas elas me trouxeram alguma lição. Confesso que a minha vida amorosa não seguiu as histórias dos contos de fada, tampouco os planos de adolescência. Os caminhos foram tortos, íngremes, com muitos altos e baixos e consequentemente com muita emoção. Eu vivo em uma montanha-russa de sentimentos. E creio que é aí que reside o meu entendimento sobre os relacionamentos. Estou em transição: uma jovem se tornando mulher experiente, uma legítima sonhadora se adaptando a um mundo cada vez mais virtual. Sou apenas uma mas poderia ser tantas que posso afirmar que igual a mim no mundo existem muitas e é para elas que escrevo: para as doces mulheres que se tornaram modernas mas que ainda acreditam nas histórias de amor.”



DEIXE UMA RESPOSTA