Não solta da minha mão

Esqueçamos o fim e voltemos ao início. Quando sentimos com urgência e saboreamos os trejeitos e outras características sublimes, também vivenciamos o êxito que é reconhecer, apreciar e zelar por alguém. Na poesia acima de qualquer padrão estético, surgiu o convite amável da conquista e da confiança. E a expectativa, impiedosa e cotidiana, pediu licença, saindo de mansinho para dar lugar à tranquilidade. Já não havia mais a necessidade de deixar brechas para o acaso. Escolhemos.

Passado o início, o meio. Meio que confunde diante tantos rostos e experiências calorosas e, por vezes, dolorosas, mas essenciais no processo de autoconhecimento. Erros e acertos patrocinados pela transformação que é viver. Conhecemos e desconhecemos. A certeza é a dúvida. A confiança, ingênua, entra num diálogo filosófico com a insegurança. O medo da perda. Escolhemos.

Ainda construindo o caminhar, queremos saber do fim. Clamamos por respostas, pelo destino final, onde esperamos ser possível deixar o caos, abraçando o silêncio. O prazer recorrente e recíproco. Alguns diriam ser o resumo do amor. Imprevisibilidade. Escolhemos.

Seja lá qual for o caminho a ser desvendado, desarmo, desabo, desfaço, mas sob nenhuma hipótese, disfarço. Apenas peço: – Não solta da minha mão.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here