Bem aventurados os que ainda têm seus avós

Enquanto escrevo este texto você luta pela vida em um leito longe de suas orquídeas, de seu quintal, de seu fogão.

É vó, a vida aprendeu a ser colorida a seu lado, e o que seriam os dias sem o cheiro de bolo de fubá com erva doce e pudim de leite condensado derretendo na boca?

Estou só. Longe da sua risada espontânea e do toque suave de suas mãos que tanto me aquecem, só a lembrança me faz sorrir.

Aos poucos percebo que uma avó é fagulha de tempo; presente precioso guardado para alguns poucos afortunados como eu; cafuné sem pressa e café com biscoitos nas primeiras horas da manhã.

Ao lhe telefonar já espero o “tati-bitati” costumeiro do outro lado da linha. Ainda me trata como seu bebê, mesmo que já tenha amadurecido tempo demais.

Peço a Deus que me conceda mais tempo ao seu lado. Preciso aprender aquelas receitas antigas_ do pão de queijo especial, do biscoito mineiro, da broinha de fubá…_ e sinto que não houve tempo de discutirmos o ponto da calda do pudim ou a temperatura do forno para o bolo sair exatamente como o seu.

Não tive tempo de aprender as receitas do mesmo modo que não perguntei como cuida de suas orquídeas para elas florirem tanto (certamente você dirá: “com amor”…).

Ainda quero te abraçar mais, sentir seu cheiro, compartilhar do seu batom. Quero admirar seus olhos verdes combinando com a cor da blusa, e elogiar seu cabelo, que teima em ser farto onde me faltam os fios.

Quero aprender mais acerca da alegria e liberdade, e admirar sua coragem ao desbravar a rigidez da vida. Quero saborear aquela nossa cervejinha gelada e brindar sua alegria e vivacidade.

Hoje eu só lhe peço uma coisa: Volta logo pra casa!

Vem cuidar do seu jardim e encher os cômodos com cheiro de pizza caseira coberta com molho de tomate. Vem me receber na varanda e acenar no portão. Vem atender ao telefone mudando a voz quando descobre que quem liga sou eu, e sentar no tapete da sala rindo de alguma bobagem sem importância.

Obrigada Vó querida, pelo amor que despertou em mim. Obrigada pela sabedoria com que soube amar e abraçar os seus. Você me ensinou o valor de amar sem preconceitos, e isso vou guardar por toda a vida!

Obrigada por existir, e principalmente por me permitir experimentar seu colo salpicado de farinha e seu amor …

Para adquirir o livro “A Soma de Todos os Afetos”, de Fabíola Simões, clique aqui: “Livro A Soma de todos os Afetos”

COMPARTILHAR
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA