10 lições que eu aprendi com o filme “A vida secreta das abelhas”

Vida Secreta das Abelhas é um filme que deve ser visto. Deve ser visto porque é um filme sobre mulheres fortes.

É um filme sobre mulheres sensíveis.

É um filme sobre mulheres que desafiaram a ordem vigente, se apoiaram umas nas outras e escreveram seus próprios caminhos.

Resumindo: é um filme extremamente feminino e inspirador. Nele, é contada a história de uma adolescente, Lily, que se sente culpada pela morte da mãe. Lily mora com o seu pai e com Rosaleen, uma empregada negra, no interior dos Estados Unidos, na década de 60, em um contexto extremamente racista. Lily não tem o carinho do pai, que é frio e lhe maltrata.

Quem lhe cuida e dá amor é Rosaleen.

Um dia, Rosaleen é agredida por homens racistas, e Lily, cansada de ser maltratada pelo pai, foge de casa com ela. As duas acabam parando na propriedade de August, uma mulher negra que tem duas irmãs: May e June. Elas possuem um bom negócio, onde produzem mel, e são donas de uma boa propriedade. Aos poucos, essas mulheres vão conquistando o seu lugar ao sol em uma sociedade onde, até então, o negro só possuía direitos no papel. Eu não vou contar todo o enredo do filme porque ele realmente deve ser visto. Mas algumas frases e situações muito me ensinaram e aqui em compartilho com vocês:

Lição 1 – Sobre querer e perder

“Ela era tudo que eu queria e eu a tirei de mim”. Nesta frase, Lily se refere à perda da mãe. Uma perda da qual não teve culpa, visto que quando tudo ocorreu ela era apenas uma criança. Mas trazendo estas palavras para o nosso contexto, essa frase representa um comportamento emocional recorrente: às vezes, nos relacionamentos. Gostamos tanto de alguém que nos auto sabotamos. Adquirimos um comportamento que nos faz atrair justamente algo que queremos evitar: o fim. Queremos estar com aquela pessoa, mas pedir desculpas ou tentar uma aproximação é difícil demais. Acabamos achando mais fácil abrir mão daquilo que se ama do que superar as nossas próprias limitações… Como me disse uma certa amiga uma vez: “É mais fácil expor a raiva do que expor o amor”.

Lição 2 – Lutar por justiça pode nos trazer dor, mas ainda sim é algo que deve ser feito

Rosaleen, a empregada, é agredida verbalmente por homens racistas. Ela, por sua vez, não se deixa intimidar. Eles ordenam que ela os peça desculpa ou seria agredida fisicamente. Ela não pede e por isso apanha. Posteriormente, Lily disse a Rosaleen que ela deveria ter pedido desculpas àqueles homens, pois ela correu o risco de ser assassinada por eles. Rosaleen responde: “Pedir desculpas àqueles homens teria sido apenas outro modo de morrer. Só que eu teria que viver com isso.”. O mundo está cheio de injustiças e a gente infelizmente aprendeu assistí-las e ficar caladas. Rosaleen nos mostra que se a gente simplesmente abaixa a cabeça, uma dor maior adentra o nosso ser. Se queremos justiça, devemos lutar por ela.

Lição 3 – A Verdade não é tudo

“A verdade é só metade do caminho. O que importa é o que você vai fazer com ela”. Quantas vezes a gente descobre algo sobre uma situação ou sobre alguém e se decepciona, entristece ou enraivece? Encarar a verdade, como diz um personagem do filme, é só metade do caminho. Descobrir a verdade não liberta ninguém de um relacionamento fajuto, por exemplo. O que faz a diferença é o nosso comportamento após isso.

Lição 4 – Abrir mão das nossas vontades pode valer a pena

“Algumas coisas não são tão importantes, como a cor de uma casa. Mas deixar alguém feliz, isso é importante.” – August diz essa frase a Lily para justificar o porquê de ter pintado as paredes da sua casa de uma cor duvidosa. A escolha se deveu ao fato de que a cor trouxe bons sentimentos a sua irmã May, que era uma moça muito sensível, tocada por uma grande perda. August decidiu pintar sua casa de uma cor que não gostava porque ela considerava que a felicidade da sua irmã May era muito mais importante do que a simples cor de uma parede. E na prática, quantas vezes nós abrimos mão de algo não tão importante só para fazer alguém feliz? Com certeza é algo que deveríamos praticar mais!

Lição 5 – Às vezes a liberdade é mais importante ou necessária do que estar em um relacionamento

“-Você já se apaixonou? – pergunta Lily.

-Claro que sim. – responde August.

-Não o bastante para se casar?

-Eu o amava bastante. Só que amava mais a minha liberdade. – finaliza August.”

Algumas vezes, nós gostamos muito de alguém mas ainda não estamos prontos ou talvez a nossa liberdade de ser solteira combine mais com as escolhas que fizemos. August sabia disso. Ela era uma mulher, uma mulher negra, que escolheu estar à frente dos seus negócios. Ela representou o que as mulheres, sobretudo as mulheres negras, poderiam conquistar. Ela foi portanto uma inspiração de liberdade, possibilidades e conquista. A sua liberdade permitiu que ela chegasse até onde chegou e talvez por isso foi tão importante ela abrir mão do amor.

A vida secreta das abelhas

Lição 6 – Ser sensível é melhor do que não sentir nada

“-Srta. May, sei que às vezes você fica muito triste. Meu pai nunca sente nada. Nunca sentiu nada. Eu prefiro ser como você. – diz Lily.

-Às vezes, não sentir nada é a única maneira de sobreviver. – responde May”

May não conhecia o pai de Lily mas ela sabia que algumas pessoas se tornam frias porque aquela era a forma que elas encontravam para sobreviver. Sei que parece horrível ser alguém sem sentimentos, mas antes de julgarmos, devemos saber que cada um passa ou passou por batalhas que não conhecemos. E talvez aquela pessoa tão gelada seja apenas alguém que não sabe externar ou lidar com o que sente.

Lição 7 – Há muito amor nesse mundo

Há duas frases ditas por Lily que chamaram muito a atenção e tenho certeza de que muitas de nós já se encontraram em situação semelhante:

“Não há nada que eu queira mais que alguém que me ame” e “Eu não mereço ser amada”.

Lily se sentia abandonada pelos pais e queria muito ser amada, mas ao mesmo tempo ela acreditava não merecer receber amor. Ela carregava em suas costas uma culpa que não era sua. Quantas vezes nos achamos indignas de ser amadas? Seja por nossos defeitos, pelo que passamos na infância ou por algum trauma. August responde: “Há muito amor nesse mundo”. O que nós precisamos é nos abrir para ele, não deixar que nossas perdas nos tornem pessoas fechadas. Às vezes, o amor vem de uma forma que não esperamos. A história de Lily é prova disso. Uma menina branca que encontrou todo amor do mundo ao lado de quatro mulheres negras.

318

Lição 8 – Nem tudo que as pessoas nos dizem é realmente o que elas querem dizer. Às vezes, elas simplesmente não têm força ou coragem de dizer o que realmente sentem

“Ainda digo a mim mesma que, quando meu pai partiu naquele dia ele não quis dizer: ‘Que seja. Ele quis dizer: ‘Lily, você ficará melhor aqui, com todas essas mães’.”

O pai de Lily não fez questão de ficar com ela. Mas Lily captou que no fundo ele sabia que ela estaria melhor com as suas “mães”. Só que ele era amargurado demais para saber dizer isso à Lily… O que ouvimos nem sempre corresponde à verdade. É preciso nos atentarmos também às entrelinhas e relevar certas coisas…

Lição 9 – Dizer “Adeus” pode ser dolorido mas pode também ser a melhor opção

O pai de Lily saiu da sua vida, foi embora sem dar ao menos um beijo de despedida. Quantas vezes a gente sofre porque alguém saiu das nossas vidas, não é mesmo? Seja aquela pessoa um amigo, um amor ou um parente. Mas às vezes, aquela partida foi a melhor opção para o desfecho da situação. Muitas vezes, os caminhos vão para direção opostas e é melhor assim. Pode não fazer sentido no momento em que ocorre mas certamente fará sentido em um outro momento.

Lição 10 – O laço sanguíneo não é tudo

A Vida Secreta das Abelhas mostra que o sangue nem sempre representa afeto, segurança ou afinidade. Muitas vezes, o sentido das palavras “Amor” e “Família” a gente encontra onde a gente menos espera. Se você tem relações familiares difíceis ou até mesmo não tem uma família, não se abata. Você tem toda possibilidade de encontrar amor em outros lugares. Pois como disse August: há muito amor nesse mundo!

COMPARTILHAR
Nat Medeiros
“Sou personagem de uma comédia dramática, de um romance que ainda não aconteceu. Uma desconselheira amorosa, protagonista de desventuras do coração, algumas tristes, outras, engraçadas. Mas todas elas me trouxeram alguma lição. Confesso que a minha vida amorosa não seguiu as histórias dos contos de fada, tampouco os planos de adolescência. Os caminhos foram tortos, íngremes, com muitos altos e baixos e consequentemente com muita emoção. Eu vivo em uma montanha-russa de sentimentos. E creio que é aí que reside o meu entendimento sobre os relacionamentos. Estou em transição: uma jovem se tornando mulher experiente, uma legítima sonhadora se adaptando a um mundo cada vez mais virtual. Sou apenas uma mas poderia ser tantas que posso afirmar que igual a mim no mundo existem muitas e é para elas que escrevo: para as doces mulheres que se tornaram modernas mas que ainda acreditam nas histórias de amor.”



DEIXE UMA RESPOSTA