Por que tanto medo de amar?

Não sei porque ainda estou aqui, não sei porque ainda estou esperando…

Talvez seja porque teu sorriso me desmonta por inteiro
Talvez seja porque teu abraço continua sendo o meu abrigo e que estar ao seu lado continua sendo o melhor lugar para se estar.
Talvez seja porque eu não consigo me encantar com ninguém e isso me incomoda as vezes
Não sei explicar o que você causa em mim, é um misto de sentimentos que juro, não sei lidar

Eu que sempre fui tão dona da razão me vejo hoje como refém.
Eu que sempre fiz pose, hoje mal sei como agir quando estou perto de você
A voz engasga, o coração acelera, o sorriso fica estampado em meu rosto e eu não sei como disfarçar
Passo a mão no cabelo, dou uma risada como quem sorri com o coração e com a alma
É uma paz que me invade e uma alegria que domina que eu sei lá, não sei lidar

Eu que sempre fui bem resolvida
Eu que sempre encarei meus problemas, não consigo encarar você
Eu não sei porque ainda te espero
Deve ser porque te quero bem perto de mim
Deve ser porque você me vira do avesso e talvez esse seja meu lado certo.

Eu sei, tenho todos os motivos pra desistir.
Eu sei, você quer ficar aqui.
Eu sei, está difícil. Mas, eu espero, eu quero. Eu sei, minhas forças estão acabando, mas o que sinto não.

Eu sei, que essa história de zig-zagues e vai e vem, vai se aquietar. Vai ter parada, vai ter encontro, vai ter abraço, vai ser.. eu e você, nosso olhares cruzados, nossas mãos entrelaçadas e aquela paz que só a companhia um do outro é capaz de trazer.

Eu sei que as minhas orações me guiaram até aqui, eu sei que não é hora de desistir, mesmo querendo, muitas vezes. Mas, tento sempre me lembrar daquele verso bíblico que tanto escuto e às vezes quando a ansiedade bate, eu acabo me esquecendo:”[…] O amor é paciente.”

Dessa vez vem, mas vem sem vírgulas, sem reticências e sem aspas.  Essa indecisão precisa de um ponto final. Só assim nosso amor pode começar.

COMPARTILHAR
Thamilly Rozendo
Estudante de psicologia, apaixonada por artes, música e poesia. Não dispensa um sorvete e adora um pastel de feira com muito requeijão, mesmo sendo intolerante a lactose. Tem pavor de borboletas, principalmente as no estômago.