Desculpe, mas ela não é de balada

Desculpe mas ela não é de balada. Não que isso a faça melhor do que alguém. Não que isso a faça pior. Mas ela tem essa característica que é bem particular dela. E se você quer conhecê-la isso é um ponto importante que deve saber.
 
Ela não é daquelas garotas que você vai encontrar na fila da balada usando um salto quinze e com disposição para dançar até o dia amanhecer. Ela não gosta de micaretas e se sente perdida em eventos sociais. Ela possui uma alma mais velha do que o corpo e gosta de se refugiar às vezes em seu próprio quarto. Ela costuma dizer que nasceu na época errada.
 
Anti social ela não chega a ser. Porém ela é bem restritiva no que tange aos lugares que frequenta e às pessoas que a rodeiam. Inacessível? Não. Ela só é na dela. Prefere lugares tranquilos que a permitam ser ela, genuinamente ela. Prefere músicas que não a ensurdeçam e que permitam uma boa conversa. Prefere quem a olhe nos olhos enquanto fala, prefere quem se desligam do mundo enquanto a escuta. Pois é assim que ela age também.
 
Exigente? Sim, ela é exigente mas ela vai exigir apenas o seu melhor. Ela não se contenta fácil. Conversas vazias no whatsapp nunca a encantaram. Ela não troca a presença de alguém que ela gosta por uma notificação no celular. Inclusive, o seu celular anda ficando mais desligado ou no silencioso.
 
Alias, o silêncio é uma outra coisa que ela aprecia. Ela o valoriza pois sabe que o silêncio pode acrescentar mais do que certas palavras. O silêncio permite que ela escute a si mesma. O silêncio já permitiu que ela se curasse também.
 
Se curasse? Talvez você não perceba, afinal, ela demonstra tanto ser forte, mas ela já esteve quebrada por dentro, com a dor invadindo o seu coração e todos os espaços da sua alma. Ela já se doeu porque se doou. E no fim das contas, o amor que a faz sonhar a fez chorar também. Mas ela também se refez. Não se refez indo a baladas ou beijando outros caras. Ela se refez cuidando de si mesma, cultivando seus silêncios e respeitando a sua dor. Se embebedando de livros e filmes na Netflix. Foi exatamente assim que ela se curou. E foi assim que ela aprendeu que errado não é amar o outro e sim deixar que o amor ao outro nos faça esquecer de amar a nós mesmos.
 
Então, se um dia você encontrar essa garota por aí eu te dou um conselho: não a deixe partir. Eu te garanto que ela pode mudar o rumo da sua vida, e para o bem. E ela anda pelos lugares mais comuns de se achar: na farmácia, na fila do supermercado, no curso de inglês, na livraria ou simplesmente tomando um açaí. Se você conseguir conquistar a confiança dela, ela te dará o seu coração em retribuição. Ela não vai te acompanhar em baladas mas será sua confidente, vai permitir que você conheça uma sensibilidade que talvez ninguém tenha conhecido. Você vai descobrir que a cara de séria dela esconde uma mulher-menina, brincalhona e que vai te fazer rir nos momentos mais inimagináveis. E ela vai querer dançar, mas só com você.  Dê a ela segurança e ela te dará o mundo.

COMPARTILHAR
Nat Medeiros
“Sou personagem de uma comédia dramática, de um romance que ainda não aconteceu. Uma desconselheira amorosa, protagonista de desventuras do coração, algumas tristes, outras, engraçadas. Mas todas elas me trouxeram alguma lição. Confesso que a minha vida amorosa não seguiu as histórias dos contos de fada, tampouco os planos de adolescência. Os caminhos foram tortos, íngremes, com muitos altos e baixos e consequentemente com muita emoção. Eu vivo em uma montanha-russa de sentimentos. E creio que é aí que reside o meu entendimento sobre os relacionamentos. Estou em transição: uma jovem se tornando mulher experiente, uma legítima sonhadora se adaptando a um mundo cada vez mais virtual. Sou apenas uma mas poderia ser tantas que posso afirmar que igual a mim no mundo existem muitas e é para elas que escrevo: para as doces mulheres que se tornaram modernas mas que ainda acreditam nas histórias de amor.”



10 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA