Por onde flor, floresça

Não há nada mais lindo do que enfrentar grandes tempestades, passar por terríveis secas e, ainda assim, ter o dom de florescer em meio às grandes dificuldades enfrentadas diariamente. E mais, conseguir acordar com um sorriso e sair por aí contagiando, como efeito dominó, pessoa por pessoa até todos ao redor verem o poder que uma alma colorida, feito flor, tem.

Não é como se a vida fosse fácil e nunca dê vontade de jogar tudo pro ar – e nem sequer ver onde irá cair – pois vontade é o que não falta. Mas por que não se desprender da rotina em desistir quando está difícil e variar dando um presente a si mesmo em ir buscar tudo o que jogou e tentar de novo? E mesmo que ainda não dê certo, que se tenha a ideia de que há chuvas mesmo durante a primavera, mas que é possível sorrir colorido em dias cinzas. E entender que tudo bem viver de clichês, se este diz que é preciso abandonar as reclamações e dar espaço para se desabrochar.

Não importa onde você parou, é sempre possível recomeçar. O poder que a força de vontade tem precisaria ser descrito no infinito para que todos enxergassem sua imensidão.

É preciso praticar constantemente a arte em reconhecer os vestígios de felicidade deixados em cada canto, prontos para serem descobertos. Porém, somente por aqueles que entendem a sua modéstia e os apreciam como se valessem ouro, porque no final do dia, é o que valem. Afinal, ser feliz é ter muitos defeitos mas não se esquecer de tudo o que guardamos de virtudes, é a essência guardada em um jardim; não só na quantidade de flores, mas dentro de cada pétala. A felicidade não é constante, por isso precisamos deixar todas as portas abertas. Ela é platônica, um amor imaginário, mas ao mesmo tempo é tão clara e real quanto a luz do Sol.

É o brilho nos olhos de uma criança que ouviu sua primeira história antes de dormir, agarrada ao seu cobertor. Felicidade é a sensação de caminhar descalço pela areia, sentindo o cheiro da água do mar. É uma ansiedade descontrolada, um suspiro demorado e um sorriso contínuo. Ser feliz é abraçar o incerto e fazer dar certo. É estar longe mas se sentir perto, abrir a mente e deixar o coração aberto. É procurar um grão de areia e encontrar um deserto. A felicidade é florescer.

Contudo, antes de florescer, é preciso se regar com todo o sentimento que cabe dentro de si. Engana-se quem pensa que para entendermos a vida precisamos vê-la. E tudo aquilo que não há explicação? Quem o vê? Quem o define? Assim como o vento que de tão forte bagunça os cabelos, mas quando o percebemos e tentamos tocar, já foi, já passou, já está ventando em outros lugares. Tão passageiro, tão incerto. Quem se cega diante aos paradigmas é visionário, decide por vontade própria se jogar em águas devaneias a fim de mergulhar em uma imensidão de ideias, que jamais poderiam ser sentidas da superfície.

Quem se cega diante ao materialismo jamais se contenta com o raso, o superficial não basta. Um abraço, em si, pode não trazer paz alguma, mas sempre tem aquela palavra de conforto que aconchega e se faz dela moradia. Antes de qualquer foto, o essencial já foi gravado e eternizado na memória de quem se importar. Antes de qualquer beijo, o amor já foi sentido e afaga a alma ao mesmo tempo que a enche de luz.

O sentir e desabrochar por si próprio, em sua essência tão simples, e ainda assim, monumental, já basta. O desabrochar é essa folha em branco, com infinitas possibilidades e convence a cada dia que antes mesmo de ver é preciso entender a força que há dentro do crer, do ser, do florescer.

COMPARTILHAR
Najara Gomes
"Paulista. Pisciana. 20 anos de excesso de sentimentos. Nada como um gole de café e uma dose de drama pra passar o dia. Meu bem, eu exagero até nas vírgulas."



DEIXE UMA RESPOSTA