“Perdoem-me os insensíveis. Eu SINTO muito.”

Por Josie Conti

A pequena frase de efeito que foi usada como título do texto foi pensada em um dia qualquer há mais de dois anos; enquanto dirigia de volta de um dos meus empregos, após um dia de trabalho rodeada por questões políticas, frias e desinteressantes. Ela foi colocada na internet e imediatamente se tornou viral mostrando que as pessoas se identificaram com esse momento em que frente a um ambiente hostil, os próprios sentimentos precisam ser valorizados.

Sou uma pessoa que precisa desesperadamente de um tempo diário só para si. É como se, após uma conversa com uma pessoa de fora, um atendimento de trabalho, passar muito tempo na rua resolvendo algo ou até mesmo passeando, toda a minha energia fosse exaurida. Aí, sinto a necessidade de um ajuste, uma dose homeopática de silêncio, uma leitura poética daquelas que são brisa dentro da gente, um filme para ver no aconchego do sofá ao lado do cachorro, alguma coisa dessas delícias que permitem que entremos em contato com aquela parte mais gostosa que se esconde dentro da gente e que sempre precisa ser resgatada.

A não interação com outras pessoas, nesses momentos, é  um recarregar de baterias, uma reorganização de pensamentos e sentimentos que vão sendo acomodados lá nas gavetinhas da memória e do existir. Aqui, dentro de mim, eles precisam ser bem dobrados, acariciados, revistos, perfumados e, só então, gentilmente colocados no lugar onde permanecerão até serem novamente requisitados.

Hoje, para esse jeito de ser de quem precisa de mais tempo consigo mesmo do que com o outro, dá-se o nome de “introspecção”.

Engana-se, porém, quem pensa que uma pessoa com características introspectivas não gosta de gente. Essa pessoa gosta sim, e gosta muito; mas gosta no seu tempo e com uma intensidade afetiva que precisa de uma coisa de cada vez. Algo como: para aquele que eu amo, toda a atenção enquanto estivermos juntos.

O excesso adoece. Lembro-me, por exemplo, de quando era mais nova e ia com os amigos para a balada. Na época, não beber não era uma opção. Naquele tempo via a questão como coisa da idade; porém, depois entendi que era um entorpecimento dos sentidos, uma maneira de amortecer as sensações, um “drogar-se” para poder se divertir naquele ambiente cheio de barulho e estímulos que eu ainda não sabia, mas na verdade não gostava.

Quando finalmente entendi que era nos momentos de solidão que eu mais me sentia bem é que compreendi o sentido do que chamam de “Solitude”, que é uma solidão voluntária e prazerosa. Nos momentos de solitude, os tijolos do dia são acomodados e formam a casa confortável onde é possível morar.

Para um introspectivo a relação temporal é relativa. Um simples toque de telefone pode ser agressivo, pois dói!  A dor descrita, embora pareça fala simbólica e exagerada, é a melhor definição de como se sente alguém que se encontra em repouso e, de repente, recebe um forte estímulo. Realmente dói.

As medidas de tempo e sensibilidade são pessoais. A intensidade de suas reações é variada; e o que é a diversão de um, pode ser uma agressão para o outro.

Para quem tem necessidade, os momentos de solitude, então, são tidos como reencontro e paz num voltar-se para si, produzindo força motriz para o engenho do próprio ser.

É um espaço que precisa ser sentido e respeitado por si e pelos outros. É uma maneira de ser, entretanto, que pode afastar alguns e que pode fazer com que você se afaste de outros.  Mas, uma vez descoberto, também é o local de autoconhecimento que permite o reencontro diário com os locais e as pessoas que realmente importam, com aqueles que sabem que, na roda dos dias, você sempre virá melhor depois de um novo ciclo; com aqueles que sabem que, o sentir em sua vida, nunca será um lugar comum.

Perdoem-me os insensíveis. Eu SINTO muito.  Sejam bem-vindos os bons parceiros de jornada, aqueles que estão dispostos a caminhar junto, e que conhecem e entendem nossos limites.

E, para aqueles que estão realmente conosco nessa vida, todo amor do mundo.

 

tumblr_nxyb9aqiOg1ql08jto4_1280

COMPARTILHAR
Josie Conti
Psicóloga, blogueira e empresária. Abandonou o serviço público para manter seus valores pessoais e hoje trabalha prioritariamente na internet com a administração de sites e redes sociais da área da Psicologia e Literatura.



3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA