O Samba das Emoções

Quando somos assaltados por algumas lembranças, temos a mania de mudar o assunto do pensamento.

Tentamos impedir o fluxo das emoções substituindo a recordação. Forjando provas de outras histórias. Remendando a memória com um lembrete de outra cor.

Mas não adianta, as lágrimas denunciam que somos frágeis quando a missão é esconder os sentimentos.

O samba das emoções sacode o passado e entramos num combate exaustivo para não cedermos à tentação da memória. Está tudo ali, acumulado na porta do coração, explodindo na borda dos olhos.

O convite de retorno à máquina do tempo é impiedoso. Não espera a arrumação da alma. Não compreende que o passado deve continuar descansando em paz. Não possui calendário de visita. Aparece a qualquer hora e não respeita o presente de ninguém. Avança como se o tempo não fosse fronteiriço. Como se tudo pudesse parar.

De repente, os sentimentos desabrocham na superfície da alma. A tempestade enche as pálpebras, e perdemos o controle das emoções. Um redemoinho inesperado balança as nossas bases mais secretas. Acontece uma invasão que nos arrasta aos labirintos do passado.

Não temos dom de represa e a memória da emoção é sempre maior que o nosso esquecimento.

Não temos anticorpos contra as pancadas fortes das lembranças, e a avalanche de emoções sempre desaba na hora errada. Como uma chuva na volta para casa. Como uma armadilha que dispara por dentro.

O coração não é confiável. Vive a serviço da repescagem de emoções. Permite o trânsito fácil entre os arquivos das memórias. Passeia entre os tempos sem a vantagem do esquecimento. Anda procurando uma vítima das lembranças e costuma sequestrá-la sem dar maiores explicações.

O coração não respeita ciclos. Não verifica estabilidade emocional antes de emitir opinião. É especialista em adornar passados e usá-los como iscas.

Só nos resta aceitar a viagem no tempo. Afinal, é só mais um truque desse órgão espirituoso que adora ressuscitar nossas memórias mais fundas. Que nos põe diante do inalterável. Do que é só mais uma amostra de um tempo que não ameaça o presente porque já teve a sua vigência. A sua aparição é apenas um aceno de uma janela que se abre para dentro da própria paisagem.

COMPARTILHAR
Ester Chaves
ESTER CHAVES é uma escritora brasiliense. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília e Pós-graduada em Literatura Brasileira pela mesma instituição. Atuante na vida cultural da cidade, participa de vários eventos poético-musicais. Já teve textos publicados em jornais e revistas. Em junho de 2016, teve o conto “Os Voos de Josué” selecionado na 1ª edição do Prêmio VIP de Literatura, da A.R Publisher Editora.

RECOMENDAMOS



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here